ADENDA AO COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO

Presidente da CNIS realça importância do acordo alcançado

Assinada que está a Adenda ao Compromisso de Cooperação para o Setor Solidário 2017-2018, a CNIS mostra-se satisfeita com o acordo alcançado, considerando, no entanto, que “é menos” do que o desejável, mas “suficiente tendo em atenção os indicadores”.
Recorde-se que os valores da cooperação agora protocolados refletem uma subida de 2,2% face a 2017.
O presidente da CNIS releva quatro pontos inscritos nesta Adenda 2018, considerando que a sua subscrição por parte da CNIS “significa que houve acordo e um acordo significa sempre aproximação de posições, uma vez que sempre houve concordância sobre as respetivas missão e competências (tanto por parte do Estado como da Organização da Sociedade que é a CNIS)”.
Para o padre Lino Maia, “a segunda nota é a da concordância quanto à atualização dos acordos: 2,2%”. E questiona: “Muito? Pouco? Certamente menos do que gostaríamos para a prossecução da missão das IPSS mas o suficiente tendo em atenção os indicadores para o seu estabelecimento: inflação e aumento dos custos, nomeadamente com o impacto do aumento do salário mínimo (justo) e a necessidade de serem dados sinais meramente indicativos na contratação coletiva”.
Em declarações ao Solidariedade, o líder da CNIS realça uma terceira nota que “é a da abertura da adenda à consagração da inovação, nomeadamente pela resposta a desafios que se vão perfilando e de que as experiências piloto com Creche são indicativas”.
Por fim, uma quarta nota “a da progressiva comunhão entre o Ministério das Finanças com os três ministérios sociais associados (Trabalho Solidariedade e Segurança Social, Saúde e Educação)”. O presidente da CNIS sublinha que “este é um caminho que interessa percorrer e aprofundar”.

 

Data de introdução: 2018-04-16



















editorial

CONTA SATÉLITE DA ECONOMIA SOCIAL

1. No passado dia 19 de julho, nas instalações do Instituto Nacional de Estatística - INE, foram divulgados os resultados da terceira edição da Conta Satélite da Economia Social, relativa ao ano de 2016.

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Sobre a idade da reforma
Em Portugal, em 1960, a esperança de vida era de 63 anos; em 1980, de 71 anos; em 2000, de 76 anos; e, em 2018, atingiu-se os 81 anos. Significa que nos anos sessenta do século passado, em...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

A ONU e os seus desafios
Um dos grandes motivos de justificado orgulho invocados pelo nosso país, a nível internacional, é o facto de o cargo de Secretário Geral da ONU ser ocupado por um...