APCC – ASSOCIAÇÃO DE PARALISIA CEREBRAL DE COIMBRA

Sandra Semedo, a papa-medalhas da tricicleta mundial

Sandra Semedo conquistou uma medalha de ouro e outra prata no Campeonato do Mundo de Tricicleta, que se disputou, no mês de julho, na Dinamarca. A triciclista da Associação de Paralisia Cerebral de Coimbra (APCC) é agora campeã mundial da categoria RR2 nos 400 metros e vice-campeã nos 200, tendo ainda obtido um ótimo quarto lugar nos 100 metros, tendo ficado a escassos centésimos de segundo do pódio.
A atleta Sandra Semedo, de 29 anos, junta, assim, estas duas medalhas às três já conquistadas no ano passado na Taça do Mundo de Tricicleta (designação anterior da competição), confirmando-se como um dos grandes nomes desta modalidade a nível mundial. A atleta da APCC é ainda a atual campeã de Portugal de todas as distâncias da sua categoria e detentora de sete recordes portugueses nas classes RR2 e RR3.
Na opinião de Ana Nunes, treinadora de todos os triciclistas da APCC e selecionadora nacional da modalidade, Sandra Semedo “é um caso de exceção” e explica: “Nós vamos lá fora e competimos com atletas extraordinários, mas são atletas que têm as condições todas e têm tricicletas topo de gama. Nós treinamos com tricicletas do primeiro modelo que surgiu no mercado. Aliás, no ano passado ficou toda a gente espantada porque ainda competíamos com tricicletas daquelas. Mesmo não tendo aquelas condições, mesmo com uma tricicleta das antigas, ela consegue resultados. As pessoas diziam-me lá na Dinamarca que se com aquela tricicleta ela tem os resultados que tem, com uma atual ganhava tudo”.
O objetivo de Sandra é “chegar mais longe e continuar a trazer medalhas para Portugal e para a APCC”, recordando que, mais esta ida à Dinamarca “foi uma experiência boa” e que “algumas das adversárias eram muito fortes”.
Foi em 2012 que a relação de Sandra Semedo com a tricicleta começou, algo que até ali ela desconhecia.
“Foi em 2012 que me perguntaram se eu queria experimentar a tricicleta e eu disse que sim. Comecei por fazer uns treinos e depois participei em uma prova em Lisboa”, recorda, acrescentando: “Nunca tinha visto uma tricicleta e quando me perguntaram se eu queria experimentar eu disse que sim”.
Apesar de ter começado a praticar a modalidade em 2012, a atleta apenas em 2015 conseguiu a nacionalidade portuguesa.
“Por causa disso é que só no ano passado fomos a primeira vez à Dinamarca e, a partir de agora, em princípio, será sempre a somar”, sustenta Ana Nunes, que recorda o percurso da atleta da APCC: “A Sandra quando começou fê-lo pela classe RR3 (Race Runner 3) e não havia em Portugal mais ninguém nessa classe, ou seja, ela tinha que correr com os da classe RR2, quando havia provas, por ser a única da classe RR3”.
Para se poder participar nas competições internacionais há uma classificação médica e, em 2016, Sandra Semedo desceu de classe, passando para RR2, ou seja, passou para a classe em que estão todos os demais atletas portugueses.
“Para nós é bom, porque é uma classe mais baixa, o que para ela é melhor, porque as atletas da RR3 são muito mais rápidas do que a ela e, como este ano foi novamente classificada em RR2, passa a ficar nesta classe de forma definitiva”, revela a treinadora, satisfeita ainda por assim a sua atleta, a nível interno, passar a disputar provas na mesma classe dos demais atletas.
A Taça do Mundo passou a Campeonato do Mundo, mas a competição é a mesma e tem periodicidade anual. Em 2018 haverá também os Jogos Mundiais, em Barcelona, e uma dúvida paira no ar: “Ainda não sabemos se vamos participar nas duas competições, porque em termos financeiros ainda não sabemos qual é a situação, mas à partida, se nos deixarem, vamos às duas”.
A dúvida subsiste, até porque quem suporta todos os custos é a PCAND – Paralisia Cerebral Associação Nacional de Desporto.
Em termos de preparação, Ana Nunes deixa grandes elogios a Sandra Semedo, que treina três vezes por semana, aproximadamente uma hora e meia por dia. No entanto, sempre que a treinadora acha necessário, o treino é complementado com trabalho de ginásio e reforço muscular.
Mas nem tudo são rosas no dia-a-dia desportivo desta atleta que só sabe ganhar.
“Ela treina comigo, mas eu não sou treinadora exclusiva da tricicleta, portanto tenho que dar resposta a outras modalidades que temos na casa”, explica Ana Nunes, que indica ainda um outro grande obstáculo à preparação da campeã do Mundo: “O que se passa é que na APCC só temos duas tricicletas, o que limita muito, pois só posso treinar, em simultâneo, dois atletas. Isso reduz o tempo de treino de alguns, embora nem todos tenham as capacidades da Sandra. Para ela, em termos competitivos, é mais complicado, porque nunca tem alguém no treino que lhe faça frente. Sempre que temos uma prova em Lisboa, que é uma vez por ano, ou em Coimbra, que agora realizamos sempre uma em Novembro, são as alturas em que consigo compará-la com outros atletas e ver um pouco como estamos na modalidade aqui em Portugal”.
A selecionadora nacional constata que “a Dinamarca é um mundo à parte”, porque “eles têm tricicletas fantásticas e depois usam a tricicleta como meio de transporte diário, o que facilita a preparação, pois estão sempre a treinar”.
Pouco faladora, Sandra Semedo sempre vai dizendo que “competir é muito bom” e que na pista tem “sensações boas”.
Já para a treinadora, “a competição é fundamental, porque andar a treinar é ótimo, mas correr ao lado de pessoas que correm tanto ou mais do que nós é fundamental, pois só assim se consegue avaliar onde se consegue melhorar”.
E a verdade é que após este último Campeonato do Mundo, Sandra vai experimentar outras distâncias, que Ana Nunes considera serem mais apropriadas para a atleta.
“Depois destas competições, apercebemo-nos que devemos apostar noutro tipo de provas, porque estávamos a apostar em provas curtas e já reparámos que não dá, porque as adversárias são muito mais rápidas do que a Sandra”, sustenta, revelando: “Deu para ver que temos que apostar nas provas longas, porque em termos de resistência a Sandra é muito forte. Ela é capaz de estar meia-hora a rolar na pista, mas em termos de velocidade e de arranque as outras ganham-lhe facilmente”.
Em tricicleta as distâncias de competição são os 100, 200, 400, 800, 1.500 e 5.000 metros e, apesar de em Portugal, até à data, só haver provas até aos 800 metros, “a partir de Setembro, a Sandra vai começar a treinar para os 800, 1.500 e 5.000 metros e logo se vê”.
Esta aposta é ainda consubstanciada no que a treinadora observou na Dinamarca: “Nas provas de 1.500 e 5.000 metros da classe da Sandra só estavam duas atletas e até houve um recorde do Mundo nos 1.500 metros. Penso que é um tempo alcançável por ela. Vamos treinar e vamos ver como corre”.
Incansável no treino e senhora de uma capacidade fora do comum, Sandra “nunca se sente cansada”, diz a treinadora: “Quando por vezes treinamos 800 metros e acho que o tempo foi mau, ela quer repetir. Ou seja, ela faz as vezes que eu quiser até gostar do resultado. E isto não é para todos, porque há atletas que fazem 200 metros e, de seguida, não conseguem correr outra vez e melhorar o tempo. No caso da Sandra é rara a vez em que ela me diz que está cansada, mesmo no final dos treinos”.

 

Data de introdução: 2017-08-10



















editorial

Qualidade e Qualificação

O que quer que se faça nas Instituições de Solidariedade, seja ao nível dos processos de gestão, seja ao nível dos recursos humanos ou doutros recursos, não constitui um fim em si mesmo, mas sim instrumentos para atingir o fim...

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Dignidade e Direitos Humanos
Vivemos tempos conturbados em que a supremacia do poder económico e financeiro sobre o poder político se vai impondo, atirando para as periferias da pobreza e das várias...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Estados Unidos e Rússia: uma relação menos clara
Nos anos que mediaram entre o fim segunda guerra mundial e o desaparecimento da União Soviética, as relações entre a Rússia e os Estados Unidos foram sempre muito claras....