FEVEREIRO 2016

Tempos Novos

1. "Para tudo há um momento e um tempo para cada coisa que se deseja debaixo do céu" (Ecl 3)...

Até agora, houve um longo "tempo eleitoral": novos tempos já se anunciam.

Várias vezes prognosticado, o tempo eleitoral iniciou-se há quase dois anos com a despedida da "troika". Fora pré-anunciado com "primárias" que precederam as "legislativas", continuadas por um prolongado "tempo de compensação", vaticinado por alguns como ainda sujeito a umas quaisquer "penalidades".

Ainda o "árbitro" hesitava em pôr fim ao "tempo de compensação" e já entravam em cena as "presidenciais". Com muitos candidatos, escasso entusiasmo e muita monotonia. Como "o povo é quem mais ordena", este longo ciclo foi encerrado sem recurso a tempo de compensação que seria uma eventual "segunda volta".

Com o fim das constrangidas campanhas, dos monótonos debates, das demarcadoras sondagens, das inesperadas negociações e das reduzidas votações, um "tempo novo" se anuncia

Se as "legislativas" tinham deixado a pairar no ar algumas dúvidas, as "presidenciais" foram eloquentes no seu resultado, a ponto de todos se renderem à inevitabilidade de o "tempo novo" dever ser precedido por um "tempo para unir aquilo que as conjunturas dividam".

2. No rescaldo eleitoral, Sampaio da Nóvoa, o antigo reitor da Universidade de Lisboa sublinhou o facto de, "pela primeira vez" na história da democracia portuguesa, "um cidadão independente "ter estado perto de passar à segunda volta" e de ter ultrapassado 20% e um milhão de votos, "dando sinal forte da nossa democracia". E sublinhou de uma forma muito sensata e clara: "A partir de hoje, Marcelo Rebelo de Sousa é o meu presidente e o de todos os portugueses", dizendo que esta sua atitude se baseia na campanha que fez, "pela positiva", em que foi "apelando à união", sem "fraturas" e "clivagens". E disse que esta era a sua "profunda convicção democrática". Atitude de grande dignidade e de enorme responsabilidade daquele que foi digno candidato à presidência.

Por sua vez, sublinhando os desafios que se perfilam no horizonte de todos nós e temendo tempos de instabilidade, aquele que tomará posse em Março como próximo Presidente da República, também no rescaldo eleitoral, mostrou-se preocupado com o crescimento económico e com a estabilidade financeira. E afirmou que todos "temos de agir com prudência para minimizar os riscos dispensáveis", e temos de "ser capazes de crescer de forma sustentada, de gerar emprego, de corrigir injustiças sociais que a crise agravou". E prometeu "prestar atenção preferencial aos mais carenciados, "os que vivem nas periferias da sociedade, de que fala o Papa Francisco".

Resumiu, assim, a sua visão para o país durante o seu mandato: "Em palavras simples e diretas: no tempo que aí vem, a opção é clara: ou crescemos economicamente de forma sustentada, criando justiça social, combatendo a exclusão, a pobreza e a desigualdade, ao mesmo tempo que moralizamos a vida pública e atalhamos as corrupções, ou só contribuiremos para agravar as tensões sociais e os radicalismos políticos". Sem dúvida, atitude preanunciadora de bom magistério.

Assim seja e assim se deseja.

3. Para além de dotado de sabedoria, de inteligência e de bom senso, espera-se sempre que o Presidente da República seja uma referência em que todos sintam enlevo e conforto. Como tal, deve ter um cadastro limpo, de estar recheado de sensibilidade humana e social e ter boas provas éticas e humanas. A sua magistratura deverá ser orientada para a coesão, para a justiça e para o desenvolvimento do País. Assim, simultaneamente, será uma espécie de "provedor" e de aglutinador das vontades ao mesmo tempo que mobilizará para as boas causas que ele próprio assume.

Contactada por candidatos à Presidência da República no período pré-eleitoral, a CNIS disponibilizou-se junto de todos eles a recebê-los e a promover encontros com dirigentes. Assim foi estabelecido um bom diálogo com sete deles que reconheceram a importância da CNIS, das IPSS e da cooperação para a promoção de uma comunidade nacional menos pobre e mais justa e mais solidária.

Marcelo Rebelo de Sousa foi um deles e provavelmente o mais diligente. Porque "é quem mais ordena", o povo elegeu-o certamente por ver nele as qualidades suficientes para o exercício da presidência da República e por reconhecer nele a capacidade e a determinação necessárias para ser o 20º Presidente da República.

Contamos com ele nestes tempos novos e ele contará com a nossa confiança e com a nossa lealdade. Também com o precioso contributo de todas as Instituições Particulares de Solidariedade Social para o bem comum.

Lino Maia

 

Data de introdução: 2016-02-07



















editorial

IPSS e Economia Social

Para uma melhor compreensão da Economia Social no nosso país, com dados relativos a 2013, o INE atualizou a Conta Satélite da Economia Social, que veio confirmar a dimensão e a relevância económica e social deste setor. No caso das...

inquérito

O Orçamento de Estado para 2017 é favorável ou prejudicial ao funcionamento das IPSS?

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

O futuro da Europa
Há uma espécie de consenso geral acerca da importância decisiva que algumas eleições, previstas para este ano em alguns países, terão no futuro da Europa....

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Eles comem tudo...
Pedindo desculpa pela invocação de José Afonso num tempo em que seria suposto reinar neste “jardim à beira mar plantado” um clima de justiça e paz social,...