NOVEMBRO DE 2015

REMUNERAÇÃO NO SECTOR SOLIDÁRIO

1. Quando se fala de Instituições de Solidariedade fala-se da responsabilidade de cada um e de todos na causa comum e de comunidades que se organizam para elas próprias encontrarem respostas para as suas necessidades. Quando se fala de Instituições de Solidariedade fala-se de um pilar fundamental no suporte e no apoio, com opção preferencial pelos mais carenciados e fala-se da expressão da caridade, da cidadania, da solidariedade e do empreendedorismo. Quando se fala de Instituições de Solidariedade fala-se de um setor solidário que presta serviço público e que cresceu exponencialmente passando a assumir importância social e económica de relevo. Quando se fala de Instituições de Solidariedade fala-se de capilaridade, de gratuitidade e de envolvência e fala-se do coração, da arte e do engenho dos seus dirigentes.

Parafraseando Bertold Brecht ("tantas histórias quantas perguntas"), quando se fala de Instituições de Solidariedade também se fala dos seus muitos e muitos trabalhadores. Com a sua dedicação e mestria, permanentemente eles asseguram aberturas de portas que pareciam encerradas e, no seu quotidiano de serviço transportam sorrisos de reconstrução do humano que pedras desumanas haviam ferido. E parafraseando Santo Ambrósio ("de obitu Valentiniani consolatio"), trabalhando como trabalham, eles são "a mão de Cristo que continua a criar e a fazer o bem".

2. Presentemente, o Sector Solidário emprega mais de 200 mil pessoas. Com maioria de mulheres. Com diversificadas competências. Muitas e alguns, que a "agilidade" de um sector lucrativo recusaria, encontraram no Sector Solidário espaço e desafios para partilharem a sua experiência e para converterem serenamente as suas aptidões.

Num Sector que se situa preferencialmente no combate à pobreza e na promoção da igualdade, olhando para outras áreas da economia, facilmente os seus trabalhadores se reconhecerão em inferioridade salarial e em dedicação provavelmente bem superior. Experimentados e peritos na gestão e na ultrapassagem das dificuldades das pessoas, também eles compreendem as dificuldades das Instituições de Solidariedade em que servem. Assim, as suas quase únicas e repetidas reivindicações situam-se no quererem mais formação para melhor serviço.

Sempre assim foi, como o tem sido durante esta longa crise. Com o apoio dos Sindicatos no exercício das suas competências e das suas responsabilidades.

O Sector Solidário pode orgulhar-se por, durante estes quatro anos, nenhuma das suas portas se ter fechado e por não só não ter havido despedimentos como por até terem sido criados alguns postos de trabalho. Mérito dos dirigentes, com certeza. Mas muito mérito também dos seus trabalhadores.

"Despedida a troika", quem de direito impôs (e bem) o aumento do salário mínimo nacional, com efeitos a 1 de Janeiro. Situando-se num Estado de Direito e servindo como ninguém os direitos humanos, o Sector Solidário acatou o aumento do salário mínimo nacional nos seus termos e nos seus tempos, alargando o mesmo valor a todos os seus trabalhadores. Um pequeno sinal de um Sector cuja matriz, repete-se, é o do combate à pobreza e a promoção da igualdade. Tendo beneficiado legitimamente de alguma atenção por parte do Estado, ao reagir como reagiu, o Sector criou a si próprio algumas dificuldades; porém o sinal com que reconhece a dedicação dos seus trabalhadores é um sinal que pode e deve iluminar um caminho a percorrer.

3. "O trabalho deve ser remunerado de tal modo que permita ao homem e à família levar uma vida digna, tanto material ou social, como cultural ou espiritual, tendo em conta as funções e a produtividade de cada um e o bem comum" (cfr. Gaudium et Spes, 67 e AAS 58).

Não sendo a CNIS uma instituição eclesiástica, comunga aquela orientação da doutrina social da Igreja e sente-se desafiada não só a defendê-la como a praticá-la.

Na recente campanha eleitoral, louvavelmente, houve consenso na defesa do Estado Social por parte de todos os Partidos. E, ao que parece, no novo ciclo já iniciado ou prestes a iniciar-se, uma das primeiras medidas poderá ser a da atualização do salário mínimo nacional. Provocará certamente reajustamentos e dificuldades, mas é uma medida de justiça para permitir ao homem e à família levar uma vida digna.

Como o reconhece a Constituição (tantas vezes referida) há três setores na economia: público, privado e social. Comprometendo todos, a atualização do salário mínimo deve envolver os três setores.

Se o sector lucrativo deve ser envolvido na definição da remuneração considerando o dever da justiça, o direito a uma vida digna dos trabalhadores e a produtividade, para o Sector Solidário, para além dessas considerações, acresce o facto de as Instituições de Solidariedade serem prestadoras de serviço público. Sendo a produtividade dos seus trabalhadores mais imaterial que quantificável, mais do que ninguém, eles são merecedores de uma vida digna, tanto material ou social, como cultural ou espiritual. A sustentabilidade das Instituições de Solidariedade depende, simultaneamente, de uma boa gestão e de um Estado que assume as suas responsabilidades. No caso, também reforçando o seu apoio para que seja praticada justiça para com os trabalhadores. 

É uma  questão  que, doravante,  tem de estar na linha da frente na cooperação.

Lino Maia

 

Data de introdução: 2015-11-05



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...