AGOSTO 2015

Eleições legislativas

1. As eleições legislativas foram marcadas para o dia 4 de Outubro.

Para trás ficou o cumprimento, com êxito, do Memorando de Entendimento. Foi um período muitíssimo difícil que acompanhou quase toda a Legislatura e que tocou todos os aspetos da vida do país, com a austeridade a ser uma das suas marcas mais dominantes.

Não foi o povo a ordenar porque a troika não lho permitiria. Mas o povo venceu.

Com ele, também venceram as suas Instituições de Solidariedade. Cooperantes e sempre presentes e próximas, elas estiveram na vanguarda das soluções. E, sendo boa "almofada social", em muito contribuíram para que o povo português se sentisse apoiado e desse provas de uma inultrapassável maturidade e de uma exemplar resiliência.

Muito embora a marcação das eleições coincida com o tempo das férias, agora é a vez de os Partidos ultimarem tanto as suas listas como os seus programas eleitorais. Listas credíveis e programas consistentes.

Certamente que o farão todos os Partidos do Arco da Democracia - que é muito mais que o Arco do Poder ou o Arco Parlamentar. E é importante que o façam com autonomia e responsabilidade porque está em causa o futuro do nosso país e porque o futuro próximo é de grande exigência.

Depois, seguir-se-á o período de uma Campanha Eleitoral que, efetivamente, já começou. Espera-se uma campanha elucidativa e serena que "deve servir para informar e esclarecer os portugueses" e que "não pode transformar-se num palco de agressões que em nada resolveria os problemas reais dos nossos concidadãos".

Revindicando a sua quota-parte de corresponsabilidade na construção da causa comum, sem manifestar qualquer preferência por qualquer Partido do Arco Democrático e com a habitual disponibilidade para colaborar com quem o povo escolher, a CNIS acompanhará todo este período de Campanha Eleitoral com a tranquilidade de quem reconhece no povo português maturidade e vontade suficientes para uma boa opção.

2. Ninguém o nega: Portugal está mais pobre e mais envelhecido e com uma economia titubeante, com um número excessivo de desempregados e com um Interior mais "desertificado".

       Porém, não está vencido e tem futuro.

É imperioso e urgente fazer algo para ordenar o território, para favorecer a natalidade, para dinamizar a economia. Para que todos tenham oportunidade de serem construtores da sua causa e da causa comum.

Reconhecendo a importância de todos os Partidos e respeitando a sua autonomia, constata-se que nos programas de todos eles há boas orientações nesse sentido. Nenhuma despicienda e todas provavelmente complementares.

Mas há dois problemas para os quais urge especial atenção e consenso: desigualdade e pobreza.

Contrariamente ao que seria previsível, a crise não fez diminuir a tendência de agravamento da desigualdade, que atinge hoje níveis intoleráveis. Não será certamente problema exclusivamente português. Mas é problema.

Sabe-se que as diversas formas de desigualdade (de rendimentos, de riqueza, de poder, etc.) se entrelaçam e se reforçam mutuamente. Mais, que as desigualdades entre as pessoas e os grupos se cristalizam nas instituições, as quais se encarregam de impedir ou dificultar a mobilidade social. Aliás, pode pôr-se a questão de saber se é possível reduzir substancialmente a pobreza mantendo inalterável o padrão de desigualdade.

Quer isto dizer que o grave problema da desigualdade, nas suas diversas formas (rendimento, riqueza, poder, etc.) em Portugal tem de merecer uma análise muito mais profunda do que tem merecido até agora.

E a crise fez aumentar a pobreza. Que não só é injusta como é manifestação de outras injustiças.   

Lutar contra a pobreza implica políticas e implica participação das pessoas pobres na busca de respostas adequadas, com respeito pela sua dignidade, interesses e aspirações. Trata-se de um trabalho conjunto e personalizado, que deverá contribuir para o aumento da sua autoestima e o reforço da sua capacidade de construir um projeto de vida próprio.

É sobretudo em períodos de aumento da pobreza que é necessário um maior investimento nos apoios sociais e uma abordagem preventiva que abranja todos os aspetos relevantes do bem-estar e esteja mais próxima das pessoas.

3. Sem advogar um utópico igualitarismo e reconhecendo que "pobres sempre os haverá", espera-se de todos os Partidos e da comunidade nacional consenso e determinação para caminhar no bom sentido. De uma sociedade mais igual e menos pobre.

Tanto na promoção da igualdade como na luta contra a pobreza, o Estado tem competências de que não deve abrir mão e tem obrigações de que não se pode demitir.

       Na vanguarda das soluções, as Instituições de Solidariedade inscreveram no seu ideário e na sua prática a dissolução das manifestações de pobreza e a promoção da igualdade entre os cidadãos. E apresentam-se disponíveis para reforçar a cooperação.

       Por um Portugal melhor.

Lino Maia

 

 

 

 

Data de introdução: 2015-08-06



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...