CONSELHO GERAL DA CNIS

Instituições poderão receber apoio extraordinário para algumas valências já em julho

O Conselho Geral da CNIS reuniu no primeiro dia de julho, em Fátima, tendo o presidente da CNIS informado os conselheiros de que poderá haver um reforço financeiro extra na comparticipação do Estado em valências como a ERPI, Centro de Dia, CATL, SAD e Lar Residencial.
O padre Lino Maia referia-se a algumas conversações que têm existido com o Governo, em especial com a secretária de Estado da Ação Social e da Inclusão, Clara Marques Mendes, “que aguarda pela conclusão do estudo dos custos por resposta social e garantir que o que está no Pacto de Cooperação para a Solidariedade Social seja cumprido”, disse, acrescentando que “isto não será em um passo só, mas é para aí que se deve caminhar”.
“A senhora secretária de Estado consultou a CNIS, demonstrando uma atitude empenhada para acelerar o processo para se alcançar os 50%, mostrando vontade de avançar com a Lei de Finanças para o Sector Social Solidário e saber da nossa sensibilidade para um apoio extraordinário a algumas valências”, contou o líder da CNIS, revelando: “Muito brevemente, ainda este mês de julho, espera-se que seja atribuído um apoio extraordinário, privilegiando as valências de ERPI, Centro de Dia, CATL, SAD e Lar Residencial”.
Ainda no seguimento do trabalho a desenvolver pelo Grupo de Trabalho sobre custos das valências, que devia ter iniciado funções em fevereiro, mas que, finalmente, está em ação, o padre Lino Maia informou os conselheiros de que, “apurados os custos, aqueles apoios extraordinários de 2022 e 2023 entrarão na base para a atualização dos acordos de cooperação”.
Sobre esta matéria, o presidente da CNIS referiu ainda: “Não estou eufórico, estamos a trabalhar. No entanto, a situação agora é mais clara”.
Instantes antes de abordar estas matérias, o Conselho Geral ouviu uma gravação de declarações feitas pelo primeiro-ministro, Luís Montenegro, feitas na inauguração de uma Unidade de Cuidados Continuados de uma associada da CNIS, em que defendeu a criação de uma lei de finanças para o Sector Social Solidário, “que estabeleça regras de comparticipação, para facilitar os projetos que são desenvolvidos pelas instituições”.
“Aquele que é o meu desejo, aquele que é o desígnio deste Governo, quando tivermos essa possibilidade, é mesmo aprovar uma lei de finanças do Sector Social. Uma lei que estabeleça as regras de comparticipação para sempre, com critérios pré-definidos, com critérios de atualização pré-definidos, para que as instituições não tenham de estar ao sabor daquilo que é, às vezes, mais ou menos a vontade das instâncias políticas, para poderem sobreviver e ter sustentabilidade na sua ação”, sustentou, tendo acrescentando: “Tal como acontece na relação entre a administração central com os municípios, aquilo que nós queremos é que a administração central com o sector social e com instituições tenham regras transparentes que deem previsibilidade e sustentabilidade a este sector”.
Perante os conselheiros, o padre Lino Maia considerou que o que o primeiro-ministro disse “é muito importante”.
“Quando ouvi pela primeira vez, pus algumas reticências, mas estão a ser dados passos nesse sentido”, afirmou.
Por outro lado, o padre Lino Maia revelou que “o estudo da CNIS sobre os custos em creche está feito”, considerando que “a situação vai agravar-se com a gratuitidade de toda a respostas”, que acontece no arranque do próximo ano letivo.
Segundo o estudo da CNIS, uma criança em creche tem um custo verificado de 481,31 euros e o custo qualificado (o que verdadeiramente integra todos os custos) de 583,07 euros.
“No entanto, o custo não é igual em todo o país. Sabemos que em Lisboa ultrapassa o custo qualificado e no Porto também é mais elevado do que o custo verificado. E mesmo nestes dois distritos a situação não é igual em todas as creches”, argumentou o presidente da CNIS, constatando que “a diferenciação positiva é muito complicada de alcançar”.
Antes o presidente da CNIS anunciou e convidou todos os presentes e demais interessados a estarem presentes na apresentação do estudo «A importância Económica e Social das IPSS em Portugal: Central de Balanços 2021», que decorrerá no auditório da Fundação “la Caixa”, em Lisboa, no próximo dia 9 de julho.
Esta é a quarta edição do estudo e reporta “a um ano que obriga a ler os dados com muita atenção por ser ainda da pandemia”, com a questão das frequências e não só, defendeu o presidente da CNIS, lembrando que “estes estudos têm dado boas bases para as negociações”.
Por seu turno, Palmira Macedo, assessora da Direção, revelou que a Fundação “la Caixa” se comprometeu a assegurar a publicação de futuras edições, em caso de não haver financiamento.
“Quando não houver fundos comunitários para a realização do estudo, a Fundação BPI assume as despesas e, assim, a Central de Balanços não terá interrupções”, afirmou Palmira Macedo.
Eleutério Alves, vice-presidente da CNIS, adiantou que a Festa e Chama da Solidariedade 2024 decorrerá entre os duas 23 e 27 de setembro em Bragança.
“A Festa será em moldes idênticos aos de edições anteriores, com a Chama a percorrer os 12 concelhos do distrito, começando em Mirandela e terminando em Bragança. A novidade este ano é que a Festa acontecerá na sexta-feira, dia 27”, disse.
Filomena Bordalo, assessora da Direção, incentivou os conselheiros a passarem a palavra nos seus distritos e federações sobre os dois seminários que a CNIS vai realizar neste mês de julho.
«Vivências da sexualidade, afetos e relações de intimidade na prestação de cuidados – o caso das pessoas mais velhas e o caso das pessoas com deficiência apoiadas pelas IPSS» é o tema a abordar, dia 11 no Fundão e dia 23 em Aveiro.

Pedro Vasco Oliveira (texto e fotos)

 

Data de introdução: 2024-07-02



















editorial

O COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO: SAÚDE

De acordo com o previsto no Compromisso de Cooperação para o Setor Social e Solidário, o Ministério da Saúde “garante que os profissionais de saúde dos agrupamentos de centros de saúde asseguram a...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Imigração e desenvolvimento
As migrações não são um fenómeno novo na história global, assim como na do nosso país, desde os seus primórdios. Nem sequer se trata de uma realidade...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Portugal está sem Estratégia para a Integração da Comunidade Cigana
No mês de junho Portugal foi visitado por uma delegação da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância do Conselho da Europa, que se debruçou, sobre a...