UIPSSD BRAGANÇA

Um grande encontro de afetos para assinalar duas décadas de vida

Tal como a UDIPSS Porto, também a União Distrital de Bragança celebra 20 anos de existência neste mês de abril. As dificuldades que o território e o despovoamento e o envelhecimento da população colocam às IPSS brigantinas na concretização da sua missão é o grande combate que a UIPSSDB enfrenta, segundo a presidente Paula Pimentel, que traçou, para o SOLIDARIEDADE, um retrato do passado e presente da União, projetando ainda o futuro.

SOLIDARIEDADE - Quais os principais marcos nestes 20 anos de história da União Distrital?
Paula Pimentel - Um dos marcos mais significativos da nossa história foi, sem dúvida, a onda de solidariedade que sentimos para aquisição de uma viatura de nove lugares para apoio a todas as nossas associadas. Foi uma iniciativa de uma coletividade local, sem qualquer ligação às IPSS, o Aeroclube de Bragança (ACB), que decidiu realizar batismos de voo solidários, revertendo a receita destes voos para a aquisição da viatura para a União. Foi impressionante sentir a adesão da comunidade local e também de pessoas anónimas de vários pontos do país que quiseram voar para ajudar. No «Careto AirShow» de 2019 foi-nos entregue a viatura e foi um momento muito emocionante e inesquecível. Depois, a própria pandemia da doença Covid-19, foi um momento demasiado duro para todos, em que sentimos a importância da União Distrital e o quanto significava para cada uma das instituições o sentimento de pertença a um grupo que enfrentava os mesmos desafios. A União funcionou como um braço de amparo, como um guia que procurava orientar, uma luz que tentava romper a escuridão. Foi na fragilidade que sentimos que a União Distrital tinha um enorme significado na vida de cada uma das suas associadas.

Que balanço faz do legado que recebeu dos seus antecessores?
Os nossos antecessores abriram o caminho e plantaram as fundações: espírito de missão e de serviço no caminho do bem comum. Romper o caminho é sempre a parte mais difícil, trabalhar as mentalidades e mostrar que juntos podemos caminhar mais devagar, mas vamos mais longe e com maior segurança. Eles deixaram esse trabalho feito e nós tentamos, a cada dia, honrá-los e dar-lhe continuidade e, sempre que possível, melhorá-lo. Hoje temos uma atuação mais abrangente e mais presente, dando mais apoio às nossas associadas, mas foram os nossos antecessores que nos preparam para este caminho.

Quais os maiores obstáculos à ação da União Distrital?
Estamos numa região muito vasta, do ponto de vista territorial, com graves problemas de despovoamento e ainda maiores de envelhecimento da população. A União Distrital de Bragança vive uma realidade completamente diferente da realidade nacional, e sentimos que, por vezes, é difícil que os nossos pares e, sobretudo, as entidades que tutelam a ação social no país compreendam estas diferenças estruturais. Talvez porque somos poucos, nem sempre a nossa voz é ouvida! A par disso, enfrentamos graves problemas de excesso de trabalho, devido à falta de recursos que não nos permitem a contratação de recursos humanos suficientes, ficando tudo a cargo dos elementos dirigentes. Com a pandemia, esta fragilidade tornou-se mais evidente. Foram dias, aliás meses, de enorme pressão profissional e psicológica, com a necessidade de duplicação de serviços, uma vez que a UIPSSDB tem de atender, muitas vezes, a várias instituições com os mesmos pedidos ou necessidades.

Quais os grandes desafios para a UDIPSS no presente e, em especial, no futuro?
Conseguir melhorar a atuação da UIPSSDB, começando por reforçar o quadro técnico. É urgente a contratação de pessoal com perfil adequado às exigências dos nossos serviços, proporcionando-lhes remuneração adequada a essas exigências. Lutar para conseguirmos tornar o nosso sector mais apetecível e atrativo para os profissionais de todas as IPSS pois, qualquer dia, corremos o risco de não ter candidatos para trabalhar.

Como caracteriza a relação da UIPSSD Bragança com as IPSS associadas?
De grande proximidade e espírito de cooperação. A UIPSSDB tem mantido o apoio permanente às associadas, principalmente, jurídico. As IPSS já se habituaram à disponibilidade e ao amparo da União, pois sentem que não estão sós, colocando questões e obtendo ali a sua resolução.

Como é o relacionamento com a CNIS? Em que pode ser melhorado e potenciado em favor das IPSS associadas?
Com a CNIS mantemos uma relação saudável e também de grande proximidade. Os seus dirigentes têm da nossa parte uma enorme estima e respeito. O que pode ser potenciado é reforçar a nossa relação no sentido de tornar mais forte o Sector Social Solidário. A CNIS pode-nos ajudar a dar a conhecer devidamente a nossa realidade e dar o seu contributo na defesa das nossas lutas, pois tem um enorme peso a nível nacional e junto do Governo.

Porque escolheram celebrar o 20º aniversário da forma que o vão fazer?
Nesta celebração queremos, ao mesmo tempo, abordar assuntos de interesse geral para as IPSS e festejar a possibilidade de podermos voltar a estar juntos fisicamente, depois de tantas e tantas reuniões por via digital. Sabemos como é importante o convívio entre dirigentes, colaboradores e técnicos e entre as várias instituições, porque sabemos da importância de olhar nos olhos, de sorrir para os nossos amigos, a importância de um abraço, especialmente agora depois de tantas provações que enfrentámos nos últimos dois anos. No primeiro mandato da atual Direção da União realizámos um encontro de associadas, o que foi extremamente importante para nos conhecermos melhor, partilharmos ideias, projetos, sonhos e expectativas e sentimos que é o momento de o voltar a fazer. Este será um grande encontro de afetos.

 

Data de introdução: 2022-04-07



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

Para uma quantificação atualizada da importância social e económica das Instituições Particulares de Solidariedade Social em Portugal a CNIS assegurou o cofinanciamento do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE),...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A sustentabilidade da Segurança Social
Quando se tenta perspetivar o que pode acontecer no futuro aos sistemas de segurança social há variáveis que são mais fáceis de prever, mas também existem outras...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Só quando for um desígnio nacional será erradicada a pobreza
Nas últimas semanas, a pobreza em Portugal voltou a ser tema de abertura em todos os medias. Esta atenção especial deveu-se a informações preocupantes emanadas de fontes...