DEZEMBRO 2020

PANDEMIA, EMERGÊNCIA E VACINAÇÃO

1. Com um desagravamento em vários municípios, nomeadamente na região Norte, que apesar de manter incidências elevadas tem já um desagravamento, parece estar a verificar-se uma tendência de descida da epidemia de COVID-19 em Portugal. Na região de Lisboa e Vale do Tejo também se verifica uma variação decrescente, o que são boas notícias. Ter-se-á atingido a incidência máxima cumulativa por via de notificação no dia 25 de novembro, havendo já uma tendência de descida, que se deseja que seja brevemente consolidada.

Outra boa notícia é que o grupo de 60/70 anos e 70/80 anos estão relativamente protegidos em relação aos outros grupos etários.

No entanto, o grupo de mais de 80 anos é um grupo que tem maior dependência, maior intensidade de contactos e, por isso, tem ainda uma incidência mais alta. E este é o grupo que percentualmente mais apoiado é nos Lares, nomeadamente nas Estruturas Residenciais para Pessoas Idosas (ERPI) e nos Lares Residenciais das IPSS…

Segundo informações avaliadas pela Segurança Social, no início deste mês, no dia 1 de dezembro, não se diferenciando a natureza dos Lares (sector social, privados ou não legalizados), depois de, até então, se terem feito 40.129 testes, verificavam-se 281 surtos ativos em Lares (um surto verifica-se quando há 2 ou mais pacientes), com 4.786 utentes e 1.749 trabalhadores positivos.

Se comparativamente com o que se passa noutros países congéneres, estejamos menos mal, continuamos a sofrer com um doente e a chorar uma morte, pelo que não podemos baixar a guarda e precisamos que o Estado corresponda melhor aos custos dos cuidados prestados e a prestar.

2. A Pandemia está para perdurar e o Estado de Emergência para durar.

Dando seguimento à renovação do Estado de Emergência decretado pelo Presidente da República, o Conselho de Ministros aprovou o decreto que regulamenta as medidas a adotar, em todo o território continental. No essencial, o decreto mantém, as regras atualmente vigentes e estabelece medidas especiais para os períodos do Natal e do Ano Novo.

Nas medidas a adotar não se faz qualquer referência direta a cuidados específicos para os Lares. Ou porque ainda virão a ser dadas orientações direcionadas ou porque os dirigentes das Instituições têm sabido interpretar outras orientações e corresponder às muitas solicitações.

Mas este é um período particularmente sensível. Natal e Ano Novo, mas especialmente Natal. Muito provavelmente mais do que nunca os idosos sentem a necessidade da festa, da gratidão, do afeto e do encontro. E merecem tudo isso e muito mais.

Não se devendo baixar a guarda e sabendo que todos os cuidados nunca serão demasiados, com engenho, coração e arte, os dirigentes, os trabalhadores, as famílias e os voluntários de todos os Lares e de todas as IPSS encontrarão formas de celebrar o Natal sem as dores da solidão e sem riscos para os seus utentes.

Como bem lembrou o Primeiro-Ministro, “o Natal não assegura a imunidade de ninguém”. Por isso, vamos começar desde já a preparar um Natal sem dor mas com amor.

Para que o novo ano o seja de renovada esperança.

3. A esperança para o novo ano é a de que praticamente começa com a vacinação contra o Covid-19, como já anunciou o coordenador da Task-Force para a vacinação, Francisco Ramos.

Quanto aos grupos prioritários, anunciou que numa primeira fase serão vacinadas cerca de 950 mil pessoas.

O primeiro grupo é o das pessoas com 50 ou mais anos e com patologias associadas, profissionais e residentes em lares e unidades de cuidados continuados, profissionais de saúde que prestem cuidados diretos no âmbito da pandemia e forças de segurança. Neste primeiro grupo não são referidos os dirigentes voluntários e dedicados dos Lares, lacuna que já foi identificada e que se deseja ultrapassada.

Numa segunda fase, será dada prioridade a pessoas com mais de 65 anos sem patologias associadas e pessoas com mais de 50 anos, mas com outras doenças associadas, como diabetes, neoplasias, entre outras, estimando-se que sejam abrangidos cerca de 1,8 milhões de cidadãos.

A terceira fase englobará o resto da população.

De acordo com a ministra da Saúde, Marta Temido, haverá 22 milhões de doses disponíveis. “Portugal tem um plano para a distribuição de vacinas. Este é mais um passo de um trabalho que começou há muitos meses”, salientou quando foi apresentado o plano de vacinação.

Além da monitorização das reações adversas, da possibilidade de agendamento da vacinação e do desenvolvimento de estudos de seguimento clínico, prevê-se “uma campanha de comunicação ampla que gere confiança na população”, exemplificou Francisco Ramos.

A vacinação será universal, gratuita e facultativa, tal como já tinha sido noticiado, cumprindo-se o que ficar estipulado no resumo das características do medicamento.

Talvez não seja possível, mas é desejável que ao completar-se um ano (2 de março) sobre a identificação dos primeiros doentes Covid já a vacinação tenha chegado a todos os Lares de Portugal.

 

Data de introdução: 2020-12-09



















editorial

ANO NOVO – NOVOS DESAFIOS

(...) Deve relevar-se como um passo muito significativo o compromisso constante do Pacto de Cooperação, no sentido de o Estado e as Instituições deverem repartir de forma equitativa os encargos com as respostas sociais em que existem...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A revisão do Pacto para a Solidariedade
Nos últimos dias do ano transato os Presidentes da Associação Nacional dos Municípios Portugueses (AMNP), da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE), da...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORT. DO VOLUNTARIADO

ESTRATÉGIA NACIONAL DE COMBATE À POBREZA: Um nobre desafio a Portugal
Finalmente, foi aprovada uma Estratégia Nacional de Combate à Pobreza (ENCP). Apesar de haver aspetos importantes por conhecer, no que respeita a exequibilidade desta Estratégia, em...