SURTOS DE COVID-19 NOS LARES

Ministras da Saúde e da Solidariedade chamadas ao Parlamento

A Comissão de Saúde aprovou a audição no Parlamento das ministras da Saúde e do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social sobre os surtos de Covid-19 em lares.
De acordo com a presidente da comissão, a deputada socialista Maria Antónia de Almeida Santos, as audições da ministra da Saúde, Marta Temido, e da ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, foram aprovadas por unanimidade e o seu agendamento está dependente da coordenação com a Comissão de Trabalho e Segurança Social, que também aprovou requerimentos para audição das duas governantes pelo mesmo motivo.
O pedido para audição conjunta das ministras foi apresentado pelo CDS-PP, que também requereu e viu aprovada a audição da diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, sobre “os vários surtos que têm vindo a registar-se em vários lares (IPSS ou outros), cujo caso mais grave ocorreu na Estrutura Residencial para Pessoas Idosas da Fundação Maria Inácia Vogado Perdigão Silva”, em Reguengos de Monsaraz.
Os deputados também votaram a favor de um outro requerimento do PAN, que solicitou a audição da ministra Marta Temido para esclarecer as situações ocorridas em lares de idosos e no Serviço Nacional de Saúde, nomeadamente a "situação no lar de idosos em Reguengos de Monsaraz".
Por outro lado, foi também aprovado por unanimidade um requerimento do PCP para a audição do presidente da Administração Regional (ARS) do Alentejo sobre o surto de Covid-19 no lar de Reguengos de Monsaraz.
Os comunistas pediram ainda a audição do responsável pela ARS relativamente à construção do novo Hospital Central Público do Alentejo e sobre a reabertura dos centros de saúde no distrito de Évora, encerrados por causa da Covid-19.
O surto de Covid-19 no lar da fundação foi detetado em 18 de junho e provocou 162 casos de infeção e 17 mortes, entre os quais se contam 16 utentes e uma funcionária do lar.
A Procuradoria-Geral da República instaurou um inquérito ao surto de Covid-19 no lar que está a analisar o relatório da Ordem dos Médicos acerca da instituição de apoio aos idosos, conhecido em 6 de agosto e que aponta para o incumprimento das orientações da Direção-Geral da Saúde.

 

Data de introdução: 2020-09-09



















editorial

IDENTIDADE E AUTONOMIA DAS IPSS

As IPSS constituem corpos intermédios na organização social, integram a economia social e são autónomas e independentes do Estado por determinação constitucional.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Eleições Europeias são muito importantes
Nas últimas eleições para o Parlamento Europeu foi escandaloso o nível de abstenção. O mesmo tem vindo a acontecer nos passados atos eleitorais europeus

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Habitação duradoura – a resposta que falta aos sem abrigo
As pessoas em situação de sem-abrigo na Europa, em 2023 serão cerca de 900 mil, segundo a estimativa da FEANTSA (Federação Europeia das Associações...