ASSEMBLEIA GERAL

CNIS adia votação de adesão à nova Confederação da Economia Social Portuguesa

Em dia de S. Martinho, a CNIS reuniu em Assembleia Geral Extraordinária, na qual ratificou a adesão à Confederação Portuguesa do Voluntariado (166 votos a favor e um voto contra) e adiou a discussão e votação da adesão à novel Confederação da Economia Social Portuguesa a ser criada no próximo ano, na sequência do Congresso Nacional da Economia Social, que terá lugar em Lisboa, dia 14 de novembro próximo.
Muitas dúvidas e algumas desconfianças levaram a que, por larga maioria (136 votos a favor, três abstenções e 28 contra), fosse, após algum debate, aprovada uma proposta feita à Mesa no sentido de que a Assembelia fosse suspensa para que a discussão e votação da adesão à Confederação da Economia Social Portuguesa se faça numa outra Reunião Magna.
O propósito do proponente foi o de proporcionar mais tempo de debate, para que a discussão em torno da adesão seja aprofundada e, então, as instituições votem de forma mais esclarecida essa mesma integração na nova estrutura.
Assim, Manuela Mendonça, presidente da Mesa da Assembleia Geral, ficou de, nos termos legais, convocar nova Reunião Magna Extraordinária para discutir e votar a proposta da Direção da CNIS, no sentido da adesão à Confederação da Economia Social Portuguesa.
Certo é que, avançando a criação daquela nova organização já no dia 14, a CNIS, no cenário de aderir mais tarde, já não será um dos membros fundadores.
Antes realizou-se a Assembleia Geral Ordinária, na qual foram aprovados por esmagadora maioria o Programa de Ação (130 votos a favor e 10 abstenções) e o Orçamento para 2018 (139 votos a favor e uma abstenção), numa altura em que estavam representadas na sala de reuniões em Fátima 140 instituições.

 

Data de introdução: 2017-11-11



















editorial

SUSTENTABILIDADE

Quando o XXIV Governo Constitucional dá os primeiros passos, o Sector Social Solidário, que coopera com o Estado, deve retomar alguns dossiers. Um deles e que, certamente, se destaca, é o das condições de sustentabilidade que constituem o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Agenda 2030 e as IPSS
Em Portugal é incomensurável a ação que as cerca de 5 mil Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) existentes, têm vindo a realizar.  As...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

A gratuitidade das creches entre o reforço do setor social e a privatização liberal
 A gratuitidade das creches do sistema de cooperação e das amas do Instituto de Segurança Social, assumida pela Lei Nº 2/2022, de 3 de janeiro, abriu um capítulo novo...