ASSEMBLEIA GERAL

CNIS unida na indignação

A CNIS reuniu naquela que foi a mais serena e consensual Assembleia Geral dos últimos anos e a prova disso foi a aprovação por unanimidade do Relatório de Atividades e Contas de 2014.

As 109 instituições presentes uniram-se ainda no voto de indignação e de solidariedade, proposto pela presidente da Mesa da Assembleia Geral, Manuela Mendonça, pela situação em que se encontra o Centro Social de S. Brás do Samouco (CENSA), concelho de Alcochete, e que o SOLIDARIEDADE dá conta na sua última edição de Março.

Paulo Machado, presidente do CENSA, relatou à assembleia os últimos desenvolvimentos que apontam para o fecho iminente da instituição. Um ultimato da Autoridade Tributária e Aduaneira, que intima a instituição a entregar, no prazo de 15 dias, o edifício-sede onde labora ao seu novo proprietário. Há um ano e meio, em hasta pública, o imóvel foi vendido por 50 mil euros, por uma dívida de cerca de 65 mil euros, mas o novo dono exige no mínimo 200 mil euros. Paulo Machado apelidou a atitude do proprietário de “agiotagem”, sentimento acompanhado pela assembleia.

O presidente da UDIPSS Setúbal, Fernando Sousa, anunciou a intenção de solicitar uma reunião urgente com a diretora do Centro Distrital da Segurança Social do distrito, que há bem pouco tempo lhe disse ser o CENSA “um caso de sucesso” e que “não iria cair”.

O padre Lino, por seu turno, voltou a disponibilizar os recursos da CNIS no apoio à instituição, o que vem acontecendo desde que o processo de recuperação da mesma se iniciou.

Outras questões foram levantadas por representantes das instituições presentes, como a da subsidiação dos dependentes de 2º grau, a do IVA das refeições a terceiros e ainda a do fundo de apoio económico e social. Em resposta, o presidente da CNIS informou que já na próxima reunião da Comissão Permanente do Setor Solidário, instigando as instituições a relatarem à CNIS os problemas, para que nesse fórum privilegiado os possa colocar a debate e resolução.

 

Data de introdução: 2015-03-14



















editorial

ANO NOVO – NOVOS DESAFIOS

(...) Deve relevar-se como um passo muito significativo o compromisso constante do Pacto de Cooperação, no sentido de o Estado e as Instituições deverem repartir de forma equitativa os encargos com as respostas sociais em que existem...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A revisão do Pacto para a Solidariedade
Nos últimos dias do ano transato os Presidentes da Associação Nacional dos Municípios Portugueses (AMNP), da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE), da...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORT. DO VOLUNTARIADO

ESTRATÉGIA NACIONAL DE COMBATE À POBREZA: Um nobre desafio a Portugal
Finalmente, foi aprovada uma Estratégia Nacional de Combate à Pobreza (ENCP). Apesar de haver aspetos importantes por conhecer, no que respeita a exequibilidade desta Estratégia, em...