PROJECTO FAS3

A formação tem que continuar

Na presença do secretário de Estado da Segurança Social, Agostinho Branquinho, decorreu em Fátima a sessão de encerramento do Projecto FAS3, depois de 20 meses de muito trabalho em 81 IPSS de Trás-os-Montes ao Algarve.
Logo no início da sessão, o padre Lino Maia lembrou que “o FAS3 é um caminho que não está terminado, porque a formação tem que continuar”, alertando os cerca de 250 dirigentes e colaboradores de instituições presentes de que o percurso trilhado nestes 20 meses necessita de ser consolidado no futuro.
Recorde-se que o Projecto FAS3 tinha como grande enfoque a sustentabilidade das IPSS, daí que fosse dada grande relevância ao curso de Gestão para Dirigentes.
Agostinho Branquinho, por seu turno, sublinhou a vontade do Governo em que “o Estado seja parceiro das instituições sociais”, anunciando que em 2015 haverá “um reforço da dotação da acção social”, revelando haver uma verba de “mais 50 milhões de euros para actualizar e contratualizar novos Acordos de Cooperação”, para as respostas sociais a dar nos equipamentos construídos no âmbito do POPH.
Antes da avaliação do Projecto FAS3, realizada por Palmira Macedo e Américo Mendes (ambos da CNIS), Lurdes Cunha (Quartenaire Portugal, o auditor externo) e Luís Pacheco (Universidade Católica), o secretário de Estado e o presidente da CNIS entregaram os diplomas às IPSS destinatárias do Projecto e aos formandos do curso «Gestão para dirigentes».
Na edição em papel de Novembro, o SOLIDARIEDADE dará conta pormenorizada de tudo o que aconteceu na sessão de encerramento do FAS3.












 

 








P.V.O.

 

Data de introdução: 2014-10-20



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...