FORUM SOBRE NOVAS DINÂMICAS DE HABITAÇÃO SOCIAL

As pessoas devem ser as principais protagonistas da mudança

O dia internacional para a irradicação da pobreza, celebrado em todo o mundo no passado 17 de Outubro foi assinalado em Vila Nova de Famalicão, no passado dia 18 de Outubro no Centro Social e Comunitário das Lameiras, com um Fórum sobre “Novas dinâmicas da habitação Social”, numa iniciativa da REAPN- Rede Europeia Anti-Pobreza, núcleo distrital de Braga, em parceria com a Associação de Moradores das Lameiras. 

Para o Vereador da Habitação da Câmara de Famalicão, Jorge Paulo Oliveira, que presidiu a este Fórum é importante que “a política de habitação social seja transformada em política social de habitação, não basta recuperar fachadas, é fundamental revitalizar, os bairros dotando-os de equipamentos sociais, culturais e desportivos. 

Temos que fazer com que as pessoas gostem de viver nesses locais, como espaços abertos ao resto da população, fazendo, por exemplo, uma escola no seu interior para toda a comunidade da freguesia, derrubando muros para evitar que estes espaços habitacionais se transformem em “guettos”, numa palavra, temos que evitar a cultura da pobreza”.

José Maria Carneiro Costa, em nome da AML, apresentou a experiência das Lameiras, neste contexto, num serviço à comunidade com mais de 20 anos e referiu ser importante apostar na divulgação das coisas boas, como incentivo a uma participação mais activa dos moradores, quer na preservação dos complexos habitacionais quer na criação de relações de boa vizinhança. 

Abílio Maciel, da Associação de Moradores de Lousado, apresentou algumas dificuldades daquele bairro e apontou a necessidade de obras, referindo ainda a pouca participação da população. 

Constantino Martins do Projecto de Luta Contra a Pobreza – TEIA, apresentou um resumo do trabalho desenvolvido por este projecto no Concelho de Famalicão, tendo realçado o trabalho desenvolvido no Bairro da Cal em Calendário e outras iniciativas no bairro da estação. 

Cristina Dias, da CASFIG – Empresa Municipal de Habitação de Guimarães, expôs trabalho que este empresa municipal de habitação tem desenvolvido nos diferentes bairros sociais da Câmara de Guimarães com resultados bastante satisfatórios para os residentes. No entanto, o representante da Associação de Moradores do Bairro da Emboladoura, em Gondar, Guimarães, denunciou as condições de habitabilidade daquele bairro, referindo que “ninguém nos quer, o IGAPHE nada faz e a Câmara de Guimarães recusa-se a tomar conta do bairro...”. 

Por fim, Carlos Aguiar Gomes, coordenador distrital da REAPN, em jeito de conclusão referiu: "É preciso promover o Associativismo, fazendo despertar nos habitantes o gosto pelo voluntariado. Temos que evitar que a pobreza seja geradora de novos pobres, por isso é importante a valorização das redes sociais, ouvir os residentes nas suas dúvidas e anseios, desenvolver projectos sustentáveis e promover uma corresponsabilização dos moradores pela preservação dos bairros. Quando isto acontece, também aparecem as novas dinâmicas de habitação".

 

Data de introdução: 2004-10-25



















editorial

Risco de pobreza

Realizado em 2019 sobre os rendimentos do ano anterior, o "Inquérito às Condições de Vida e Rendimento" indica que 17,2% das pessoas estavam em risco de pobreza em 2018. Menos 0,1 ponto percentual que no ano anterior, mas embora diminuindo...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS
Esta semana fui convidado pela administração do grupo Altice para assistir, em Braga, a um evento sobre responsabilidade social das empresas. Ora aqui está um tema que vai seguramente...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

O Muro de Berlim e os outros muros
A queda do Muro de Berlim foi, certamente, um dos acontecimentos mais importantes da segunda metade do século vinte. Basta lembrar que abriu o caminho para o desmantelamento da “Cortina de...