OPINIÃO

Multiculturalismo e integração

Em Novembro de 2006, escrevemos num jornal do Porto um texto breve a que demos precisamente este título: multiculturalismo e integração. O artigo referia-se de modo especial à Inglaterra e à situação provocada pela avalanche de imigrantes muçulmanos - cerca de dois milhões - que, num espaço de tempo relativamente curto, se fixaram o Reino Unido.

A propósito, recordávamos nesse texto que, vinte anos antes, o governo britânico tinha iniciado uma política que motivara a admiração e o apoio de quantos se preocupavam com os problemas da imigração. O governo de Londres não só se tinha aberto a uma generosa política de acolhimento, como tinha feito do multiculturalismo o grande princípio dessa política. Nesse contexto favorável, não só cresceu galopantemente o número de imigrantes muçulmanos, como também estes puderam conservar e aprofundar a sua identidade cultural.

Só que as relações e os laços que estes imigrantes criavam eram orientados, quase exclusivamente, para os seus irmãos de cultura e não para as comunidades autóctones em que se acolhiam e de que aproveitavam apenas as condições económicas. Politicamente deixavam de ser estrangeiros, mas permaneciam voluntariamente estranhos, criando assim verdadeiros guetos culturais.

O texto que então escrevemos terminava assim: “ é sempre difícil harmonizar, a contento de todos, o dever da integração e o direito à diferença. Mas, depois do entusiasmo pelo multiculturalismo, os responsáveis políticos do Reino Unido começam a sentir a necessidade de privilegiar a integração”.
Lembrámo-nos deste comentário, a propósito de questões sociais e políticas levantadas, nos últimos tempos, em alguns países europeus, pelo fenómeno da imigração. A Comunicação Social deu grande relevo à “expulsão”de grupos de ciganos oriundos da Roménia, uma decisão tomada pelo governo de Paris e que provocou um debate intenso, dentro e fora da França. Mais ainda, os resultados de algumas eleições europeias recentes favoreceram partidos claramente xenófobos. Por último, foi a própria senhora Merkel a admitir o fracasso da generosa política alemã de acolhimento de imigrantes, referindo-se particularmente à enorme comunidade turca que habita no seu país.

Que a integração deve ser o grande princípio a presidir à política de acolhimento, a começar logo pela aprendizagem obrigatória da língua, defendeu a chanceler. Na sua opinião, o direito à diferença não é incompatível com o dever da integração.
Foi neste cenário que surgiu, há dias, a notícia de que um africano, emigrado do Gana, tinha vencido as eleições autárquicas para a presidência da câmara de uma pequena cidade da Eslovénia. Um sinal de que o caminho da aceitação e da prática do multiculturalismo, embora difícil, pode chegar a bom porto? Oxalá!

Por António José da Silva

 

Data de introdução: 2010-11-09



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...