O papel da sociedade civil na prevenção do trabalho não declarado

Está em crescendo um movimento na Europa para combater o trabalho não declarado.
Como sabemos o trabalho não declarado significa privar o erário público das receitas resultantes do pagamento de impostos sobre o rendimento e das contribuições para a segurança social. As receitas não sendo contabilizadas na actividade económica são subtraídas à tributação fiscal, o trabalho é realizado contra remuneração não declarada. 

A sociedade é, consequentemente, destituída de receitas consideráveis que se destinam entre outras coisas a financiar sistemas de protecção social e a investimentos em infra-estruturas e reprodutivos, a importância em jogo eleva-se todos os anos a muitos milhões de euros.
Em muitos casos, as empresas eficientes e cumpridoras são excluídas do mercado ou têm grandes dificuldades para se manterem economicamente viáveis ou de expandirem os seus negócios, enquanto que as empresas que recorrem a trabalho não declarado continuam a operar no mercado impunes e prosperam.

A eficiência económica é portanto ameaçada. Por este motivo a produtividade não aumenta quando se sabe que o crescimento da economia é uma premissa essencial para manter o modelo social vigente.

Se num dado sector da economia, uma percentagem importante de empresários e trabalhadores não declaram os seus rendimentos ou salários, o sistema fiscal não pode ser considerado justo pelos empresários íntegros e trabalhadores cumpridores e assim, é necessário combater cada vez com mais firmeza a concorrência desleal e os indivíduos parasitas que usufruem da sociedade mas nada querem contribuir para essa mesma sociedade não percebendo que ao fazê-lo estão a pôr em causa o futuro dos seus próprios filhos.

A fraude fiscal em grande escala também cria um ambiente de tensão na sociedade, largas camadas da população pagam normalmente os seus impostos enquanto outros se arrogam a si próprios o montante que desejam pagar (todos conhecemos exemplos de figuras mediáticas).

Todos sabemos também que alguns trabalhadores são forçados a aceitar estas condições por várias razões: ou porque os subsídios de desemprego são baixos ou se encontram numa situação ilegal, mas o certo é que tanto os empresários como os trabalhadores utilizam e usufruem das prestações e serviços sociais sem terem contribuído para o sistema de protecção social, alguns até recorrem ao mesmo tempo ao subsídio de desemprego, subsídio de doença e até mesmo a uma reforma antecipada.

Ao desrespeitar as leis e as regras em vigor estamos a pôr em perigo os fundamentos jurídicos e o sistema de protecção social. É pois indispensável atacar este problema com medidas certeiras e abrangentes.
É um facto que lentamente os parceiros sociais, políticos e sociedade em geral estão cada vez mais conscientes do carácter antidemocrático e injusto do trabalho não declarado e portanto da necessidade de transformar o trabalho não declarado em emprego regular cumprindo as leis democráticas do país.
O trabalho não declarado causa enormes prejuízos à colectividade, o alcance destes prejuízos são, não só em termos monetários como na confiança que se vai perdendo inevitavelmente a todos os níveis.
O último Conselho de Ministros Europeu insta os Estados-Membros à criação de um enquadramento jurídico e administrativo favorável à declaração da actividade económica e do emprego e a adopção de acções preventivas, das quais podemos destacar: 

Vigilância e Controlo

Uma das teses defendidas na resolução do Conselho de Ministros Europeus é de que urge reforçar a vigilância, através do aumento da regulamentação e por um controlo social mais severo mas ao mesmo tempo promover o sentido ético que felizmente em muitos sectores da economia, muitas empresas e organizações já demonstram uma vontade muito grande de operarem com maior sentido da ética e de responsabilidade social.

Necessidade de informação
e formação

Para um assalariado um emprego ilegal é frequentemente sinónimo de um emprego precário e a curto prazo e sem quaisquer possibilidades de progresso na carreira. Por seu turno as empresas que recorrem ao trabalho ilegal não podem crescer como desejariam com receio de verem a sua fraude descoberta. Para o trabalhador a evolução salarial não acompanha a verificada no mercado do emprego regular. As prestações sociais, tais como o seguro de doença e as pensões de reforma são inexistentes.
Por isso torna-se necessário uma grande campanha de informação e de formação dos agentes económicos cabendo aos parceiros sociais e associações empresariais um papel fundamental para promoverem uma aplicação correcta dos acordos salariais e do pagamento das contribuições para a segurança social.

O Comité Económico e Social Europeu elaborou um parecer sobre esta matéria e no qual enumera os seguintes domínios que convém reexaminar com vista a encontrar as vias mais adequadas para resolver o problema:

1) Melhoria dos incentivos ao trabalho declarado. É oportuno baixar os impostos mais propensos a fraude fiscal ou aos seus efeitos. Pensa-se aqui designadamente, nos impostos sobre o rendimento e nas contribuições para a segurança social sobre o trabalho, mas também no IVA nos sectores com grande intensidade de trabalho.

2) As mulheres têm uma posição muito mais vulnerável no trabalho não declarado com salários baixos. É essencial estudar a sua situação mais a fundo para adoptar medidas específicas

3) É necessário modificar a regulamentação aplicada às empresas e simplificar os trâmites burocráticos, sobretudo no que se refere à constituição de uma nova empresa.

4) O proprietário de uma nova empresa deve ter a possibilidade de adquirir conhecimentos básicos sobre economia de empresa e conhecer exactamente as exigências colocadas pela colectividade à sua gestão.

5) É fundamental que as autoridades desenvolvam campanhas de informação para mostrar as consequências nefastas do trabalho não declarado para as receitas fiscais e para os sistemas de protecção e de segurança social e o seu impacto negativo no sentido da solidariedade e de justiça.

6) É oportuno que as autoridades reforcem a vigilância, designadamente, em colaboração com as entidades competentes tanto ao nível nacional como transfronteiriço.


É nossa obrigação como cidadãos e membros da sociedade civil denunciar todo e qualquer trabalho não declarado.

* Economista. Representante da CNIS no Comité Económico e Social Europeu

 

Data de introdução: 2005-01-24



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...