CARTA ÀS INSTITUIÇÕES

Novembro de 2013

SENHOR (ª) PRESIDENTE


1. Devidamente convocada pela Senhora Presidente da Mesa da Assembleia Geral, no próximo dia 9 de Novembro, com início às 9:45 horas, no Hotel Cinquentenário, em Fátima, decorrerá a Assembleia Geral da CNIS. Com esta carta seguem os documentos a submeter à apreciação geral (programa de ação, orçamento e parecer do Conselho Fiscal).

2. Já nos anos letivos anteriores, alguns LIJ integraram docentes para apoio pedagógico a crianças e jovens por eles acolhidos.
A avaliação realizada, pelo ISS.IP, desta colocação foi considerada como muito positiva.
Os CDSS procederam a um contacto com os LIJ, no sentido de saberem se estes tinham interesse em receber docentes para apoio pedagógico a crianças e jovens por eles acolhidos no ano letivo 2013/2014.
No âmbito de um acordo entre o Ministério de Educação e Ciência/DGAE e o Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social/ISS,IP e ao abrigo do art.º 68º, al. b) do Estatuto da Carreira Docente (destacamento), foram divulgados os procedimentos para o exercício de funções em LIJ do pessoal docente de carreira sem componente letiva, que se encontram na reserva de recrutamento.
Assim, anexamos a Nota divulgada pelo ISS sobre este assunto.

3. Na Carta Mensal IPSS-13.09 dava-se informação relativamente às Guias de Transporte, nomeadamente no que respeita à obrigatoriedade de emissão de Guias. Subscrevendo a posição da União das Misericórdias, nesta Carta tenta-se responder a algumas dúvidas práticas.

DÚVIDAS PRÁTICAS SOBRE A EMISSÃO DE GUIAS DE TRANSPORTE

a) A Guia de Transporte deverá ser de carácter privado e genérico, pelo que sugere-se a emissão de uma guia de transporte geral, sem valor numerário, unitário ou global. Ou seja, no momento da saída da viatura das instalações, a Instituição deverá passar uma Guia com a totalidade das refeições que a viatura transporta;
Em anexo à Guia devem fazer-se acompanhar de uma listagem com o nome dos utentes e respetivas moradas. Esta listagem só pode ter uma utilização semanal, quinzenal ou mensal. A título de exemplo, junta-se uma minuta.
b) A emissão das Guias de Transporte deve ser efetuada para todos os bens em circulação (refeições, roupa, medicamentos, produtos de higiene pessoal, produtos de higiene habitacional).
A emissão é aplicável não só nas situações de Serviços de Apoio Domiciliário, como nas situações de transporte de bens entre os vários equipamentos da Instituição;
c) No que se refere às formas de emissão das Guias, pensa-se que a opção mais adequada será a prevista na versão em papel, utilizando-se para o efeito impressos numerados seguida e tipograficamente;
d) Realça-se ainda que todos os assuntos que se configuram como transações comerciais não estão enquadrados, isto é, deverão cumprir o estipulado no Decreto-Lei 198/2012, de 24 de Agosto. Por exemplo, se uma Instituição, no âmbito da Cantina Social, fornece refeições a outra Instituição e emite a respetiva fatura: neste caso, terá de cumprir na íntegra o regime de bens em circulação;
e) A emissão das Guias de Transporte nunca originará nenhum processo que conduza a Instituição ao pagamento de impostos;
f) Entretanto, prosseguem as diligências da CNIS para resolver definitivamente a isenção de emissão das guias.

 

 

Nome da Instituição _____________________________________________________

Listagem referente ao período de ___________ a _____________ (período mensal, ou quinzenal ou semanal)

Data de prestação de serviços: ____/____/_____

 

Nº do Processo do utente

Nome do utente

(consumidor final)

 

Morada do utente

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nota: Listagem para anexar à guia de Transporte


Com os cumprimentos.

Porto, 28 de Outubro de 2013

O Presidente da CNIS

_________________
(Lino Maia, padre)

 

Data de introdução: 2013-10-29



















editorial

Compromisso de Cooperação

As quatro organizações representativas do Sector  (União das Mutualidades, União das Misericórdias, Confecoop e CNIS) coordenaram-se entre si. Viram, ouviram e respeitaram. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Regionalização
O tema regionalização mexe com interesses. Por isso, não é pacífico. Do que se trata é de construir uma forma diferente de distribuição de poder e,...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Primaveras que nunca chegaram
Morreu não há muito, em pleno tribunal onde iria ser julgado pela segunda vez, aquele que foi presidente egípcio entre 2012 e 2014, altura em foi deposto por um golpe militar...