OPINIÃO

A guerra do Iraque e João Paulo II - por A. J. Silva

Passou há dias o décimo aniversário do início da segunda guerra do Iraque. E dizemos segunda, porque em 1990 tinha havido uma primeira também liderada pelos Estados Unidos, dessa vez, e ao contrário da última, com o apoio da comunidade internacional.

A passagem deste aniversário foi um bom pretexto para se fazerem análises mais ou menos serenas a um conflito que apaixonou uma opinião pública praticamente unânime na condenação dos Estados Unidos e, sobretudo, do seu presidente, Georges W. Bush.

Uma das vozes que se fizeram ouvir contra o desencadear dessa guerra foi a do Papa João Paulo II. Não se envolvendo na discussão dos motivos invocados pelo então presidente americano para a justificar, nem nas razões daqueles que a condenavam, o Papa pronunciou uma frase que vale a pena recordar, particularmente hoje: “ sabe-se sempre como uma guerra começa, mas nunca se sabe como ela acaba.”

Esta segunda guerra do Iraque começou a 20 de Março de 2003 e, oficialmente, terminou a 18 de Dezembro de 2011. Foi muito mais tempo do que queriam e imaginavam americanos e ingleses, que formaram a coligação militar encarregada de derrubar Sadam Hussein e criar condições para a emergência de um regime e de um governo democrático. E, sobretudo, teve consequências muito mais graves do que os seus governos poderiam ter imaginado, pelo menos no que respeita ao número de mortos e feridos, quer militares, quer civis. Nos últimos dias, os meios de comunicação encarregaram-se de o lembrar repetidamente

Nos primeiros tempos da guerra, e com a captura de Sadam Hussein, chegou a parecer que esta seria breve, embora se soubesse que uma guerra sujeita a uma cobertura mediática como esta foi, nunca daria a sensação de ser breve. Pode dizer-se que, em termos militares propriamente ditos, se tratou realmente uma guerra curta, mas o pior estava para vir. O fim das operações deu lugar a uma violência cega, a um sectarismo irracional que fez muito mais vítimas entre os iraquianos do que os combates travados até então.

Hoje, ao fazer a história desta guerra, as palavras de João Paulo II têm plena justificação: “sabe-se sempre como uma guerra começa, mas nunca se sabe como ela acaba”.

António José da Silva

 

Data de introdução: 2013-04-08



















editorial

Compromisso de Cooperação

As quatro organizações representativas do Sector  (União das Mutualidades, União das Misericórdias, Confecoop e CNIS) coordenaram-se entre si. Viram, ouviram e respeitaram. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Regionalização
O tema regionalização mexe com interesses. Por isso, não é pacífico. Do que se trata é de construir uma forma diferente de distribuição de poder e,...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Primaveras que nunca chegaram
Morreu não há muito, em pleno tribunal onde iria ser julgado pela segunda vez, aquele que foi presidente egípcio entre 2012 e 2014, altura em foi deposto por um golpe militar...