OPINIÃO

A estratégia do orgulho patriótico- por A. J. Silva

A Coreia do Norte acaba de lançar, desta vez com êxito, o seu tão ambicionado satélite, conseguindo esse objectivo com um foguetão de longo alcance, que parece ter funcionado na perfeição. Muitos países, nomeadamente a Coreia do Sul, o Japão e os Estados Unidos, regiram mal a esta notícia, convencidos de que este êxito científico e militar constitui um passo importante para a afirmação e consolidação do regime estalinista que controla o país desde a chegada ao poder da dinastia dos Kim: Kim Il Sung, Kim Jung Il e Kim Jung Un. Mais ainda, temem que este êxito funcione como etapa decisiva no caminho do seu projecto nuclear.
A gigantesca praça de Pyongyang, a capital norte-coreana, encheu-se de uma multidão tão entusiasmada como disciplinada, para louvar os seus líderes por mais esta conquista. À frente desta imensa multidão lá estavam os militares, pilares do regime, garbosos e absolutamente irrepreensíveis, numa espécie de liturgia inúmeras vezes repetida, e cuja grandiosidade pretende demonstrar a felicidade do povo e garantir a sua fidelidade.
Apesar da conquista militar e científica que representa o lançamento de um satélite transportado por um foguetão próprio, a Coreia do Norte continua a ter um nível de vida extremamente baixo. É verdade que o período mais duro da fome que atingiu a sua população há alguns anos atrás, já foi ultrapassado, mercê das ajudas que chegaram de muitos países, entre os quais os Estados Unidos, mas a situação alimentar continua problemática.
Seja como for, a História ensina que, na maior parte dos casos, é possível controlar as reacções negativas de um povo, através da manipulação do seu espírito patriótico. O orgulho pelas “conquistas” de um país, sejam elas de que tipo forem, faz esquecer os problemas e as dificuldades por que passam os seus cidadãos, sobretudo quando estes vivem fechados ao mundo exterior, como é o caso da Coreia do Norte.
O facto é que o povo deste país continua a participar, aparentemente com grande entusiasmo, nas grandes manifestações de louvor aos seus líderes. Foi assim no tempo de Kim Il Sung e foi assim no tempo do seu filho Kim Jong Il, e o mesmo se passa com o neto, Kim Jong Un. Os três são heróis de uma dinastia que promete resistir à passagem dos anos, agora com a ajuda de um foguetão e de um satélite…

António José da Silva

 

Data de introdução: 2013-01-11



















editorial

Compromisso de Cooperação

As quatro organizações representativas do Sector  (União das Mutualidades, União das Misericórdias, Confecoop e CNIS) coordenaram-se entre si. Viram, ouviram e respeitaram. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Regionalização
O tema regionalização mexe com interesses. Por isso, não é pacífico. Do que se trata é de construir uma forma diferente de distribuição de poder e,...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Primaveras que nunca chegaram
Morreu não há muito, em pleno tribunal onde iria ser julgado pela segunda vez, aquele que foi presidente egípcio entre 2012 e 2014, altura em foi deposto por um golpe militar...