OPINIÃO

As certezas dos ditadores

Tudo indica que a guerra civil que se abateu sobra a Líbia, já lá vão alguns meses, se aproxima do fim. Pelo menos, é o que deixam perceber as notícias que chegaram daquele país nos últimos tempos e que dão conta de que as forças rebeldes estão em vias de vencer o que resta dos grupos fiéis a Kadafi.

No entanto, estas notícias são recebidas, geralmente, com algum cepticismo. Desde o início do conflito que a situação, do ponto de vista militar, foi sempre muito fluida, o suficiente para a opinião pública não acreditar que o ditador líbio estava mesmo a ser derrotado, como muitos pretendiam. A rebelião tardava em chegar à capital do país, e enquanto isso não acontecesse, ninguém se atrevia a fazer prognósticos acerca do termo do conflito.

Entretanto, chegou a notícia de que os rebeldes tinham ocupado, finalmente, a cidade de Tripoli, o que deu motivo a intensas manifestações de regozijo por parte de quantos se batiam, desde há meses, contra um regime ditatorial que durava há quarenta anos. Já não havia dúvidas quanto à queda de Kadafi, e esta significaria o fim do regime. Só que o ditador tinha ainda seguidores fiéis, mesmo que poucos, em algumas áreas do país Embora a relação de forças tivesse mudado radicalmente, não se podia falar ainda de uma nova Líbia.

No momento em que escrevemos este texto, os combates, embora esporádicos e circunscritos praticamente a Sirte, terra natal de Kadhafi, não terminaram de todo. O paradeiro do ditador permanece ainda desconhecido e, pelos vistos, ele não desiste de afirmar, contra todas as evidências, que ainda detém o poder e a confiança do seu povo, numa reacção que traz à memória os últimos e loucos dias do regime de Sadam Ussein, o ditador iraquiano.

Neste cenário, é realmente difícil não evocar o fim do regime de Sadam Husseim. Já a guerra estava perdida, já o mundo testemunhara a entrada dos americanos em Bagdad e os líderes do regime continuavam ainda a fazer exaltantes discursos de vitória. Kadhafi, ou alguém por ele, utiliza a mesma estratégia, para se convencer a si próprio ou para convencer os seus seguidores de que ainda não perdeu e que vale a pena lutar.
É uma “certeza” que pode prolongar a guerra e tornar ainda mais dolorosas as suas consequências.

Por: António José da Silva

 

Data de introdução: 2011-09-13



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...