OPERAÇÃO NARIZ VERMELHO, LISBOA

Doutores Palhaços receitam alegria às crianças hospitalizadas

“Esta história começa numa ida ao hospital, depois de muito tempo de espera, a fazer telefonemas e a tentar ser atendida, já cansada e desesperada. Olho e reparo num palhaço: telemóvel gigante, sapatos enormes, uma pele escura que sobressaía debaixo do rosto pintado, um nariz vermelho sobre uns olhos negros e que repete todos os meus movimentos. Gesticula, anda impacientemente e conversa exaltadamente.
Perante o absurdo da situação, ele atinge o seu objectivo: faz-me rir, a mim e à minha filha. O seu tratamento acalma-nos, prepara-nos para mais algum tempo de espera e principalmente parece nos tornar visíveis aos nossos olhos. Afinal, o nosso doutor é especial. Nunca mais esqueci o meu Dr. Chocolate, especializado em palhaçadas.
Obrigada Dr. Chocapic!

Cristina Coelho, uma paciente sua…”


Diz o ditado popular que rir é o melhor remédio e são receitas de alegria e boa disposição que os “Doutores Palhaços” levam às crianças internadas em 11 hospitais espalhados pelo país. A equipa é, actualmente, formada por 21 profissionais da gargalhada que desde 2002 já visitaram quase 200 mil crianças.
A Operação Nariz Vermelho foi oficialmente constituída em 2002 como instituição particular de solidariedade social. Foi o resultado de um longo processo iniciado por Beatriz Quintella, actual presidente, que em 1993 leu um artigo que relatava o trabalho dos Doutores Palhaços que visitavam crianças hospitalizadas nos Estados Unidos. Não havia nada parecido em Portugal e Beatriz ofereceu-se ao Hospital D. Estefânia, em Lisboa, para levar a sua personagem de palhaço aos meninos internados. Trabalhou sozinha durante oito anos e sempre como voluntária.

À medida que começava a trabalhar em outras pediatrias, visitou dois projectos estrangeiros: o projecto fundador da ideia do Dr. Palhaço, o Big Apple Circus, em Nova Iorque e os Doutores da Alegria, no Brasil.
Em Setembro de 2001 Beatriz convidou dois amigos, Bárbara e Mark Mekelburg, para ajudarem na criação do programa e graças a uma contribuição de uma empresa privada, o projecto assumiu um carácter profissional, estabelecendo-se nos hospitais de Santa Maria, Instituto Português de Oncologia e D. Estefânia, em Lisboa.
Mark Mekelburg, vice-presidente da instituição, foi o anfitrião desta reportagem. O Dr. Pipoca, nome artístico, explicou ao Solidariedade que de início a ideia de ter palhaços a circular pelas enfermarias pediátricas dos hospitais causava desconfiança na comunidade médica e nas próprias famílias. “Para fazer ideia, quando a ideia surgiu em Nova Iorque, um médico virou-se para o Doutor Palhaço e disse-lhe que o hospital não era lugar para palhaços, ao que o Palhaço respondeu: «Concordo consigo, mas o hospital também não é sítio para as crianças»”, conta o responsável.

Os artistas têm formação especializada no meio hospitalar e trabalham em estreita colaboração com os médicos e enfermeiros. As actuações são adaptadas a cada criança e a cada situação. “Todos os nossos «Doutores» são profissionais renumerados e em formação contínua para que os níveis de qualidade sejam mantidos”. O trabalho é, regra geral, desenvolvido em duplas e antes de entrarem na enfermaria, os Doutores Palhaços falam com as enfermeiras para se inteirarem do estado de saúde de cada doente. “É impossível mantermos o mesmo ritmo durante o dia todo, por isso exageramos um pouco aquilo que somos. A mesma dupla trabalha junta durante cerca de três meses e a muitas coisas acontecem de improviso. A maioria das vezes corre bem, outras nem por isso”, explica o Dr. Pipoca (Mark Mekelburg).

Para além das visitas nos hospitais, a instituição desenvolveu um centro de estudos, que organiza workshops dirigidos a públicos variados, desde pessoas individuais, a empresas, profissionais de saúde, etc. A ideia é partilhar os efeitos positivos do bom humor. “Está provado cientificamente os benefícios físicos do riso e o pessoal médico começa a dar valor a isso”, sublinha o dirigente e adianta que a instituição vai desenvolver em parceria com uma equipa da Universidade do Minho uma metodologia que pretende estudar e criar indicadores para medir o resultado da intervenção do palhaço no hospital. “A inovação deste projecto reside no facto desta organização se propor a avaliar o impacto efectivo do seu trabalho e responder se rir é realmente o melhor remédio”. O projecto, cotado na Bolsa de Valores Sociais, pretende investigar o impacto da intervenção do Palhaço de Hospital junto das crianças internadas, analisando os efeitos físicos, emocionais e psicológicos. O Hospital de São Marcos, em Braga, vai servir de observatório para o estudo.

A Operação Nariz Vermelho não se dirige apenas às crianças hospitalizadas, mas também às famílias e profissionais de saúde. De bata branca, nariz vermelho e assobio sempre pronto, os Doutores Palhaços visitam todos os quartos, onde brincam também com os enfermeiros, médicos e auxiliares. No final, todos se riem das piadas. “Mesmo para os pais das crianças acaba por ser um momento de escape, porque esquecem, por segundos, a razão pela qual estão aqui”, diz o Dr. Pipoca.

A instituição recebe muitos pedidos para visitar unidades de saúde, mas o trabalho está dependente da angariação de fundos, além de que não querem crescer sem “supervisionar a qualidade” das “consultas”. Quando questionado sobre os critérios de selecção dos Doutores Palhaços, Mark aponta como essencial a formação corporal, musical, boa projecção de voz, equilíbrio vocal, ritmo, mímica, técnicas de circo e um “grande coração”. “No hospital muitas vezes não recebemos palmas, nem sorrisos, nem risos e é necessário estar preparado para dar sem receber nada em troca”.

Normalmente, são as crianças mais novas as que acham mais graça a estes doutores de nariz vermelho, mas, por vezes, o trabalho também é desenvolvido com adolescentes. “Temos crianças que, infelizmente, passam muito tempo no hospital, nós acompanhamos esse crescimento e mantemos o contacto com jovens que já riram com o palhaço, enquanto crianças”. Mark Mekelburg garante que todo o trabalho desenvolvido tem ido “muito além de qualquer expectativa” inicial e classifica-o como uma “viagem fantástica” em termos artísticos e humanos.
Só em 2009, a equipa de Doutores Palhaços visitou cerca de 34 mil crianças e deu 713 “consultas” nos 11 hospitais onde trabalham. Objectivo principal: receitar alegria!

Texto: Milene Câmara

 

Data de introdução: 2010-10-09



















editorial

Compromisso de Cooperação

As quatro organizações representativas do Sector  (União das Mutualidades, União das Misericórdias, Confecoop e CNIS) coordenaram-se entre si. Viram, ouviram e respeitaram. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Regionalização
O tema regionalização mexe com interesses. Por isso, não é pacífico. Do que se trata é de construir uma forma diferente de distribuição de poder e,...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Primaveras que nunca chegaram
Morreu não há muito, em pleno tribunal onde iria ser julgado pela segunda vez, aquele que foi presidente egípcio entre 2012 e 2014, altura em foi deposto por um golpe militar...