A Formação e a Produtividade (Parte II)

No seguimento do artigo publicado na edição anterior, em que procurava responder à questão: Quais são os principais obstáculos à implementação das políticas nacionais de formação vocacional e profissional e como ultrapassar esses obstáculos?, vou hoje tentar responder à seguinte questão: Qual a maneira mais efectiva de impulsionar a formação?

Todos temos conhecimento do gravíssimo problema que o país atravessa no que respeita à produtividade e que se expressa, em parte significativa, como resultado da situação negativa ao nível da qualificação escolar entre os portugueses e a média europeia (a 15 EM) na educação básica (ensino secundário) e de licenciatura. 

Por isso todos os alertas e contribuições de todos os quadrantes são bem vindos, no sentido de despertar todos para a grande tarefa, que esperam os governos (central e local), os professores, os nossos jovens e trabalhadores em geral, no âmbito da educação, formação profissional e formação ao longo da vida.

Sabemos que alguns passos estão a ser dados no sentido de implementar o plano para a construção da sociedade da informação, através de parcerias entre o Governo e a Associação Nacional de Municípios; o crucial será que as intenções aconteçam na prática porque o país não pode esperar mais.

Qual a maneira mais efectiva de impulsionar a formação ?

A questão que se nos apresenta é a necessidade de recolocar os esforços para o aumento da produtividade, concentrando esses esforços na educação básica (ensino secundário completo) e na formação como base para a aquisição de competências-chave ou nucleares. 

O que são competências-chave ou nucleares ?
São os conjuntos de capacidades que são complementares às capacidades básicas e genéricas, que permitem aos indivíduos adquirirem novas qualificações mais facilmente para assim se poderem adaptar às mudanças tecnológicas e organizacionais das empresas e instituições, ou para atingirem e participarem das oportunidades de mobilidade no mercado de trabalho.
O nível desejado de competências-chave só será atingido se paralelamente ao aumento significativo do sucesso escolar ao nível do ensino secundário houver uma aposta muito forte na formação de professores, jovens e trabalhadores em geral.

As medidas que deverão ser tomadas para a impulsionar a formação são:
1. ’O re-exame das estruturas e interrelações entre os sistemas de educação e de formação e reorientá-las tornando-as complementares e adequadas às estruturas produtivas do país no presente e no futuro’. 

Esse reexame e reorientação favorecerá o desenvolvimento de um melhor nível de comunicação e cooperação entre os dois sub-sistemas dos vários níveis de educação para que possam responder efectivamente aos desafios da globalização e da mobilidade que esta gera. 

É crucial para o país conseguir organizar muito melhor a interrelação entre a educação e a formação de forma a garantir uma melhor qualificação dos jovens e trabalhadores portugueses em geral. 

Este reexame não pode tratar a formação isoladamente como um caminho diferente a seguir, ao contrário, deve ser integrado como um único componente e fazendo parte de um sistema mais alargado e fornecendo também aos cidadãos as possibilidades de usufruírem da formação ao longo da vida. Só desta forma poderá Portugal dar passos positivos em direcção à sociedade da informação e à construção do ’desenvolvimento sustentado’.

2. ’Dinamizar as estruturas de inovação e desenvolvimento e levá-las ao nível local’

A grandeza dos problemas, a sua urgência e em particular o custo de os resolver requer passos imediatos para a implementação e dinamização ao nível local da pesquisa e inovação.
Devem ser criadas condições para aplicações-piloto e esquemas inovadores para conduzir os sistemas de educação em direcção aos ’objectivos de Lisboa’.
É crucial que esta dinamização seja levada ao nível regional e local, através do estabelecimento de parcerias e procurando, identificando e promovendo novas e melhores práticas.

3. ’Ligar o processo de aprendizagem com a sustentabilidade das políticas: económicas, sociais e ambientais e ao nível local’

Este ponto está relacionado com o princípio de que problemas difíceis tais como: sobrevivência e desenvolvimento sustentável, produtividade, competitividade, ou a realização da sociedade do conhecimento não podem ser realizadas à distância da realidade do dia a dia, através de escolhas isoladas, mas sim têm de ser resolvidas pela sociedade, através de abordagens integradas e envolvimento individual e colectivo. 

O problema da formação e da produtividade tem de ser resolvido ao nível sectorial e local, através de políticas integradas e um vigoroso reforço de todas as formas de cooperação entre os parceiros sociais, a sociedade civil e as autoridades locais em ordem a atingir objectivos comuns.

No próximo número terminarei esta série de artigos, referindo-me principalmente às melhores práticas a adoptar nesta problemática.

* Economista. Representante da CNIS no Comité Económico e Social Europeu

 

Data de introdução: 2004-10-21



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

(...) É relevante a importância do estudo sobre a importância económica e social das IPSS, que ajuda a perspetivar algumas vias de futuro e constitui uma preciosa ferramenta na Cooperação. (...)

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Saber fazer e como fazer
A Covid-19 arrastou o mundo e o nosso País para uma crise com consequências económicas e sociais ainda difíceis de imaginar.Mostra a experiência que no fim de qualquer...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

As contas da tragédia dos incêndios de 2017
Exerço as funções de Presidente da Assembleia Geral da União das Misericórdias Portuguesas (UMP) e é com satisfação que constato que entre a...