EDITORIAL

Face a um ciclo eleitoral

1. O próximo semestre será de eleições: Europeias, Legislativas e Autárquicas.
Começaremos pelas primeiras sem saber como continuará a sua arrumação.
O Parlamento Europeu é um espaço de afirmação, proclamação e defesa dos valores morais e éticos da Europa, que a defenderão na sua identidade histórica e cultural. Na sua multiplicidade de civilizações e de sistemas ideológicos, os deputados europeus devem possuir capacidade e cultura interventora para esta missão.

A Assembleia da República é o principal órgão legislativo do país e dali procede a legitimação do Governo. Sem objectivos claros, sem atenção responsabilizadora e fiscalização acompanhante e sem leis adequadas e respeitadoras da realidade e do bem comum o país não pode prosperar.

Na sua variedade, a Assembleia é um lugar vocacionado para construir a unidade e apontar os caminhos do progresso da nação. Os seus membros devem empenhar-se no maior bem da comunidade nacional, ocupando-se com os desafios e os problemas e situações mais graves que urge resolver.
A diversidade dos deputados e a pluralidade dos partidos é enriquecedora. Porém, não menospreza nem anula o contributo de cada um e de todos.

A Autarquia é o espaço local de serviço de referência, directa e de proximidade. As eleições autárquicas têm merecido o maior interesse das populações e até por tal, em muitos casos, e bem, organizam-se e submetem-se a sufrágio, um pouco à margem dos Partidos. Os eleitores conhecem as necessidades concretas, as pessoas propostas, com a sua competência e honestidade, os méritos e os desvios do trabalho até ali realizado.

É a democracia a funcionar numa das suas mais consensuais e visíveis expressões, com a participação dos cidadãos nas opções políticas e com a garantia reconhecida aos governados da possibilidade quer de escolher e controlar os próprios governantes e representantes, quer de os substituir pacificamente, quando o julgar oportuno.
Não há democracia sem participação, como não há democracia sem Partidos e sem ideias políticas e debate ideológico.
Corrigem-se as suas limitações e favorecem-se os seus desenvolvimentos dialécticos. Também com a participação, consciente e activa, que um acto eleitoral proporciona.

2. As eleições surgem num contexto de intensa crise. Global, sem dúvida: o mundo mergulhou profundamente nela e parece que não sabe como sair dela.
É uma crise que faz implodir alguns mitos. O mito da especulação, o mito da omnipotência do mercado, o mito das estatísticas, o mito das obras de regime, o mito dos muros isolacionistas, o mito dos números. E outros mitos ainda: também o da colectivização e o do capitalismo.
Para poder ser vencida - e está longe de o ser – a actual crise requer que sejam recentradas as preocupações políticas, em que sejam afastadas as declarações retóricas para serem retomadas as questões de base.
Também entre nós.

Os Partidos são imprescindíveis e os políticos são credores de respeito. É preciso, porém, que o serviço seja mais catalisador que o poder e os ideais sejam mais inebriantes que as estratégias de oportunidade.
Responderão aos desafios históricos com que todos nos confrontamos, os Partidos e os Políticos que recentrarem nas pessoas a concepção política e a proposição de políticas.
Na pessoa humana concreta, servida e respeitada na sua dignidade e direitos, na sua vocação e na sua missão.

Nas pessoas e nas suas relações, nas suas ambiências, nas suas heranças patrimoniais, nas suas movimentações e nos seus legados refortalecidos, a preservar e a doar.
É o engenho que dos políticos se espera.
Sempre e também neste ciclo eleitoral.

3. As Instituições de Solidariedade não se alheiam deste ciclo eleitoral. São respostas de uma comunidade que não se demite e que assume as suas responsabilidades. As pessoas são os seus agentes e também são os seus destinatários. Fazem muito e são reconhecidas. Têm ideias e fazem opções. Cívicas e não partidárias, mas politicamente ajustadas. Dialogam, partilham e respeitam. Todos os Partidos e todos os Políticos.

E todas as Pessoas, porque são as Pessoas a razão da sua existência e do seu serviço.
Neste contexto, as Instituições Solidárias recordam que o momento presente exige grande atenção. Precisamente, a prestar às Pessoas.
Perante o desemprego crescente e a incerteza dos jovens em busca do primeiro emprego, perante as falências em série de pequenas e médias empresas comerciais, industriais e rurais e o acentuar do fosso entre os que têm muito (poucos) e os que têm pouco (muitos), perante a pobreza, as famílias, a migração, a marginalidade e a minoração da ética e dos valores, deve ser dada a prioridade às Pessoas. Para não dizer a exclusividade.

Colocar as Pessoas no centro das atenções e das concepções políticas é urgência e desafio. Cada uma e pela via da proximidade. Colectivamente e pela vida da solidariedade.
O tempo é de responsabilidade e de responsabilização.

*Presidente da CNIS

 

Data de introdução: 2009-05-05



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...