QREN: AGORA OU NUNCA!

Os últimos 15 dias têm trazido para a comunicação social e para o debate/combate político o recorrente tema da pobreza.
Foi constrangedora a forma como a classe política, no governo e nas oposições, abordou este drama humana que afasta tanta gente do acesso a uma vida compatível com a dignidade humana e mais elementares direitos de cidadania.

É uma vergonha a utilização já estafada das estatísticas, que servem sempre para todos os gostos! Como é possível que pessoas com responsabilidades políticas tenham de fazer grosseiras manipulações políticas para explicar aquilo que está à vista sem precisarmos de estatísticas nenhumas: há muito tempo que o país acusa as consequências de um projecto político de modelo de desenvolvimento que está errado.
Porquê? Porque promove desigualdades sociais, é gerador de pobrezas em relação a pessoas, famílias, regiões do país!

Em Abril foi-nos prometido um “D” que anunciava DESENVOLVIMENTO. Fomos esperando por novos ciclos políticos e económicos que conduzissem Portugal para um patamar de bem-estar económico e desenvolvimento social.

DESENVOLVIMENTO foi uma promessa não cumprida da revolução de Abril. E o povo agora pede contas a todos os que nos têm desgovernado!

Anda por aí uma nova esperança, a última oportunidade para acertarmos o passo com a Europa: o QREN (Quadro de Referência Estratégica Nacional). Nome lindo!
A Europa concedeu-nos o crédito de uns largos milhões de milhões de euros para até 2013 mostrarmos o que valemos!

Já começámos mal: as verbas destes fundos comunitárias já deveriam ter estado disponíveis para projectos de desenvolvimento estratégico, a partir de 1 de Janeiro de 2007!
Estamos em Junho de 2008 e a burocracia que enreda as candidaturas a estes apoios financeiros dá a perceber que, para manter o défice controlado, a ideia é ir ganhando tempo para fugir à comparticipação nacional que as candidaturas significam, privilegiando-se o “défice” ao “investimento em desenvolvimento”.
A correr bem, só lá para Janeiro de 2009 (altura em que, por acaso se começam a preparar eleições) é que as candidaturas devem começar a ser aprovadas!

Estamos cá para ver! Porém, é mais que muito o “denso nevoeiro” que ameaça a transparência e rigor que deveriam acompanhar este instrumento chamado QREN.
Bom será que a classe política e empresarial aceite este desafio do QREN como um cheque-mate à sua sobrevivência!

AGORA OU NUNCA!

 

Data de introdução: 2008-06-04



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...