POLÍTICA SOCIAL NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Estreito relacionamento com IPSS e Misericórdias

O investimento na área social tem sido uma das apostas do Governo Regional dos Açores liderado por Carlos César. Na última década a fatia destinada ao sector tem vindo a crescer, sendo que no ano de 2000 as verbas para a Segurança Social situavam-se nos 4 milhões de euros, cinco anos depois ascendiam aos 7,5 milhões de euros e em 2007 atingiram o valor de 10 milhões e 800 mil euros. Números que, segundo Andreia Cardoso, directora regional da Solidariedade e Segurança Social, mostram o “empenho governamental nesta área”.

Em entrevista ao Solidariedade, Andreia Cardoso afirmou que as políticas socialistas da região “assentam num forte relacionamento com as IPSS e Misericórdias”, que, nos últimos 10 anos, possibilitou que fosse dado um “salto significativo, potenciando o alargamento da rede de equipamentos sociais”.

No arquipélago existem actualmente 640 equipamentos sociais, que dão resposta a 24 mil pessoas, mas com capacidade para 27 mil utentes. O Instituto de Acção Social (IAS) e a Direcção Regional de Solidariedade e Segurança Social direccionaram a intervenção nos últimos 3 anos, no sentido de uma “aproximação técnica” com as instituições. “Foram criadas equipas multidisciplinares, (constituídas por psicólogos, enfermeiros, nutricionistas, terapeutas ocupacionais, entre outros), nas divisões de acção social, que são compostas por elementos do IAS e das IPSS no sentido da rentabilização dos recursos técnicos”, explica. Para a directora estas equipas têm permitido “uma franca melhoria na qualidade e rapidez das respostas e também uma maior segurança de intervenção por parte das instituições, uma vez que não é possível ter recursos técnicos em todos os equipamentos sociais e na mesma proporção em todas as ilhas”.

Os acordos de cooperação são, segundo a directora, outro dos indicadores que demonstram a “proximidade” entre as instituições e o governo, uma vez que também nos últimos 10 anos, o bolo atribuído às IPSS aumentou substancialmente. Em 1996, para as 4 áreas sociais, Infância e Juventude, Família e Comunidade, Invalidez e Reabilitação e Terceira Idade, o valor atribuído era um pouco acima dos 11 milhões de euros, sendo que 10 anos depois, em 2006, ultrapassou os 36,5 milhões de euros.

 

Data de introdução: 2008-03-09



















editorial

PILAR DO ESTADO SOCIAL

(...)O orçamento do Estado para este ano incluía uma despesa global para a Educação de 6.173 milhões de euros enquanto a despesa total consolidada do Programa da Saúde prevista e inscrita no mesmo orçamento é de 10.289,5...

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

“ HÁ UM TEMPO PARA TUDO…” (Eclesiastes 3. 1-22)
Ora cá está uma mensagem bíblica capaz de inspirar mudanças significativas nos estilos de projetos de vida de pessoas, famílias e da própria comunidade...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Democracia: das escolhas ao arrependimento
Aquilo que caracteriza imediatamente um regime democrático é a possibilidade de os cidadãos escolherem os seus representantes nos órgãos do poder, o que normalmente...