ORÇAMENTO DE ESTADO DE 2007

Breves notas sobre as políticas sociais

No relatório do Orçamento do Estado para 2007, no capítulo das Políticas Sectoriais, pode ler-se “…a despesa orçamentada pelos vários ministérios traduz as políticas e prioridade sectoriais definidas, sendo de destacar o relevo dado às funções sociais onde se destacam os Ministérios do Trabalho e da Solidariedade Social, da Saúde e da Educação…”.
Na rubrica deste capítulo, referente ao MTSS, este assume claramente que a prioridade da agenda social de 2007, aliás na sequência do trabalho desenvolvido em 2006, será “…a adopção de um conjunto de medidas que contribuirão para o reforço da sustentabilidade financeira, eficiência e equidade dos Sistemas de Protecção Social”.

Refere ainda que “adicionalmente, serão implementadas iniciativas orientadas para a melhoria da coesão social e inter-geracional, para a protecção das crianças e jovens em risco, para a integração de pessoas com deficiência ou incapacidade, para o reforço da educação e qualificação dos portugueses, para a promoção do emprego e o combate ao desemprego dos jovens e ao desemprego de longa duração, para a melhoria da adaptabilidade dos trabalhadores e das empresas e para a promoção da igualdade de oportunidades.”
Numa breve apreciação, parece poder inferir-se que a linha de contenção do OE é comum a todo o documento, privilegia os equilíbrios financeiros. Nesta área de intervenção o equilíbrio a preservar é o da sustentabilidade a longo prazo do Sistema da Segurança Social.

A estratégia para a modernização da Segurança Social tem dominado as preocupações do MTSS e nela se têm concentrado, segundo parece, o essencial dos seus esforços. Garantir a sustentabilidade do Sistema da Segurança Social, ampliar os Recursos Financeiros, através da introdução de instrumentos inovadores, são objectivos incontestados.
No que às outras medidas diz respeito, igualmente importantes, necessárias e essenciais, como a Coesão Social e Inter – Geracional, o OE prevê a implementação do novo modelo de financiamento para a “Rede de Serviços e Equipamentos Sociais”, tendo subjacente o princípio da diferenciação positiva, a continuação do PARES e do PAIES, o alargamento da “Rede de Cuidados Continuados” e a implementação dos “Contratos de Desenvolvimento Social” e o seu alargamento a todo o território nacional, prevê ainda a implementação do “Programa de Qualificação Habitacional” para idosos nos espaços rurais.
Quanto à Protecção às Crianças e Jovens em Risco, o OE fala do aprofundamento do sistema de protecção, do desenvolvimento de novas formas de articulação com o Ministério Público e a promoção de programas que criem condições de inclusão para as crianças e as suas famílias e, ainda, do desenvolvimento de medidas promotoras da parentalidade positiva, para apoiar os pais e aprofundar o instituto da adopção com base no trabalho do “Observatório Permanente da Adopção”.

O Plano de Acção para a Integração das Pessoas com Deficiência ou Incapacitados é apresentado como um desígnio do Governo no campo da protecção social. Prevê a promoção de mecanismos de integração das pessoas com deficiência nos cursos de formação destinados à população em geral, através da cooperação entre Centros de Reabilitação Especializados e Centros de Formação Regulares, e a articulação com o “Programa de Postos de Trabalho Apoiados em Mercado de Trabalho”, por forma a incentivar a transição para o mercado de trabalho as pessoas com deficiência. Prevê também, no plano das prestações sociais, a revisão das prestações familiares.

Continuar a apresentar, ainda que resumidamente, as várias medidas contidas no Orçamento de Estado não se afigura necessário, até porque, com se pode constatar o seu nível de precisão é baixo. O importante é saber como se vão materializar, com que meios, com quem. E algumas necessitam mesmo de maior especificação.
Quanto ao Orçamento, o que nos é dito é que a despesa consolidada do MTSS totaliza 7.184 milhões de Euros, o que representa 4,5% do PIB e 13,2% das Despesas da Administração Central. A despesa total prevista deve registar uma taxa de crescimento de 5,9% e um aumento de 403 milhões de Euros.
O Estado financia o Orçamento da Segurança Social em 5.402 milhões de Euros, a que acrescem 468 milhões de Euros, respeitantes à consignação de receita do adicional ao IVA. O total destas verbas representam 81.7% do orçamento total consolidado.

*Centro Estudos Sociais da CNIS

 

Data de introdução: 2006-11-12



















editorial

Compromisso de Cooperação

As quatro organizações representativas do Sector  (União das Mutualidades, União das Misericórdias, Confecoop e CNIS) coordenaram-se entre si. Viram, ouviram e respeitaram. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Regionalização
O tema regionalização mexe com interesses. Por isso, não é pacífico. Do que se trata é de construir uma forma diferente de distribuição de poder e,...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Primaveras que nunca chegaram
Morreu não há muito, em pleno tribunal onde iria ser julgado pela segunda vez, aquele que foi presidente egípcio entre 2012 e 2014, altura em foi deposto por um golpe militar...