SILVA PENEDA NO CONGRESSO DA CNIS

Graças à globalização, a pobreza tem-se reduzido em valores absolutos à escala universal

Na sua intervenção no II Congresso da CNIS (Confederação Nacional das Instituições Solidariedade Social), Silva Peneda, o antigo ministro do Governo de Cavaco Silva e eurodeputado, abordou o tema “Modelo Social Europeu e Globalização”, tendo afirmado que este modelo pode ser visto como um conceito associado à preservação de um clima de paz, de justiça social, de solidariedade, de vivência em liberdade, em democracia e no respeito pelos direitos humanos”. 

Referiu que os Estados Membros têm vindo a organizar os seus respectivos sistemas de protecção social e que, nesse sentido, “não temos um modelo social europeu mas várias formas, ou vários modelos de organização, com vista à execução de políticas sociais”. 

Ao falar da Estratégia de Lisboa, Silva Peneda defendeu que a componente do desenvolvimento social “é um dos três pilares do processo de desenvolvimento sustentável, a par do crescimento económico e da protecção ambiental”. Porém, logo adiantou que a evolução demográfica e a globalização serão condicionantes importantes que dificultam a concretização desse projecto.
O eurodeputado frisou que a Europa está a envelhecer, por força de uma maior esperança de vida, ao mesmo tempo que diminui a natalidade, o que terá consequências sobre a prosperidade, as condições de vida e a relação entre gerações. 

Considerou que a globalização é o resultado de um conjunto de inovações, “especialmente no domínio das telecomunicações”, o que veio possibilitar uma grande mobilidade, até então considerada impossível, de factores produtivos, de bens, de capitais, de empresas e de serviços.
O conferencista adiantou que, devido à globalização, “encontramos países cujas economias têm crescido a taxas muito interessantes”, enquanto “a pobreza se tem reduzido em valores absolutos à escala planetária”. No entanto, acrescentou que não podemos “ignorar que há claros sinais de dificuldade de adaptação, por parte de alguns países e regiões a esta nova realidade”.
Por outro lado, Silva Peneda sublinhou que foi na Europa que os sistemas de protecção social “garantiram direitos universais”, tendo acrescentado que, nos últimos 60 anos, o velho continente foi, indiscutivelmente, e a muitos títulos, “uma história de paz, de sucesso e de prosperidade”.
Contudo, adiantou que hoje “a realidade mostra que todo o passado não evita o pairar de uma espécie de ameaça, através da qual se vai percepcionando que muita coisa de trágico pode vir a acontecer, seja a nível da manutenção dos empregos, seja a nível de um possível desmantelamento dos sistemas de protecção social”. 

“É perante esta situação que temos de compreender porque é que muitos resistem à mudança, dado que passaram a associar a palavra reforma à perda de direitos e de regalias, que sempre se consideraram como perpétuas”.
No final da sua intervenção, o antigo ministro de Cavaco Silva referiu que o grande problema da Europa não é o seu modelo social, pois essa vertente não passa de uma parte, embora importante, de um todo muito mais complexo. 

Nessa linha, denunciou que a UE tem sido muito lenta a liberalizar os mercados, “incluindo a área dos serviços e a área financeira”, e que mesmo os mercados financeiros estão totalmente “fragmentados por espaços que correspondem aos diferentes Estados-Membros”.
Disse, ainda, que o papel da UE no processo da globalização vai depender da forma ”como se posicionar, face a questões fundamentais, que se irão desenvolver, num quadro previsível, onde o Brasil, a Rússia, a Índia e a China, que será a maior economia do mundo, irão representar, nos próximos 20 anos”.








 

Data de introdução: 2006-02-01



















editorial

Compromisso de Cooperação

As quatro organizações representativas do Sector  (União das Mutualidades, União das Misericórdias, Confecoop e CNIS) coordenaram-se entre si. Viram, ouviram e respeitaram. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Regionalização
O tema regionalização mexe com interesses. Por isso, não é pacífico. Do que se trata é de construir uma forma diferente de distribuição de poder e,...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Primaveras que nunca chegaram
Morreu não há muito, em pleno tribunal onde iria ser julgado pela segunda vez, aquele que foi presidente egípcio entre 2012 e 2014, altura em foi deposto por um golpe militar...