PRESIDENTE DA UDIPSS LISBOA SOBRE O MOMENTO DE EMERGÊNCIA

As instituições souberam reinventar-se para responder a uma situação deveras complicada

As IPSS reinventaram-se devido à pandemia da Covid-19 e, apesar de continuarem a prestar serviços à terceira idade, nos lares a situação é "deveras complicada", reconhece o presidente da União Distrital das Instituições Particulares de Solidariedade Social (UDIPSS) de Lisboa.
"As instituições, um pouco também à semelhança do país, tiveram que se reinventar, tivemos que nos reorganizar, no fim de contas é isso que caracteriza as IPSS, são estas respostas eficazes no sentido de resolver as necessidades concretas das pessoas, das comunidades", sustenta João Carlos Batalha.
No distrito de Lisboa, as IPSS estão a viver o atual momento "de forma muito apreensiva", admite o dirigente, mas continuam empenhadas em prestar "com cuidados redobrados" não só os habituais serviços aos utentes, mas outros que, entretanto, tiveram de ser adaptados.
Por exemplo, os centros de dia deixaram de funcionar e agora são as instituições que vão a casa dos utentes para lhes levar as refeições, cuidar da higiene, mas também para levar algumas compras, apoiar a toma da medicação ou ir à farmácia.
"Temos que nos desdobrar, não só prestando os serviços de apoio domiciliário que já prestávamos aos utentes, mas também a estes de centro de dia. Vamos a casa de todos", sublinha João Carlos Batalha.
Já nos lares, "a situação é deveras complicada", admite.
"Vamos fechando a malha, filtrando o mais possível, criando procedimentos junto dos funcionários para prevenir", refere, admitindo que os trabalhadores que "entram e saem" são um motivo de preocupação.
Entre outras medidas, destaca, estarem a ser criadas "zonas de descontaminação" para prevenir o risco, locais onde os funcionários tomam banho e mudam de roupa antes de entrar ao serviço e no final dos turnos.
"Cada instituição, à sua medida e em função das suas estruturas físicas, vai criando mecanismos, estratégias de contenção e também de prevenção, criando formas para diminuir os riscos", explica.
Por outro lado, as instituições estão também a ter o problema adicional da falta de equipamento de proteção individual e dos preços "absolutamente especulativos" que estão a ser pedidos.
"Tudo isto passou a ser um problema adicional e absolutamente crucial na estratégia defensiva que cada instituição tem que montar", salienta o também presidente da Mesa da Assembleia Geral da CNIS, lembrando que em todas as instituições há um conjunto de gestos que se repetem ao longo do dia, como a higiene dos utentes, e que implicam "um gasto de material absolutamente incrível".
Nos próximos dias, a UDIPSS Lisboa vai distribuir 100 mil luvas, que fazem parte de um pacote que a CNIS recebeu.
"Representamos mais de meio milhar de instituições no distrito de Lisboa, temos consciência que 100 mil luvas não chegam, é uma ajuda, mas não chegam", assevera.
Ainda em relação aos funcionários, as instituições tiveram também que se reorganizar, porque, com o encerramento das escolas, muitos tiveram de ficar com os filhos, além dos que, entretanto, foram para casa porque estavam infetados ou havia essa suspeita.
No entanto, apesar da situação difícil, João Carlos Batalha admite que a decisão do Governo de fazer testes de despistagem do novo coronavírus em lares onde até agora não haja casos diagnosticados "é muito importante", porque tem um caráter preventivo.
O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, já infetou mais de 803 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 40 mil. Dos casos de infeção, pelo menos 165 mil são considerados curados.
Em Portugal, segundo o balanço feito esta terça-feira (dia 31 de março) pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 160 mortes, mais 20 do que na véspera (+14,3%), e 7.443 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 1.035 em relação ao dia anterior (+16,1%).
Dos infetados, 627 estavam internados, 188 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 43 doentes que já recuperaram.

(com Lusa)

 

Data de introdução: 2020-03-31



















editorial

O Sector Social e Solidário em contexto de pandemia

Analisando tudo o que aconteceu e o que foi feito, a experiência destes 8 meses de pandemia leva-nos a reiterar a necessidade de definição e implementação de medidas proativas, estando disponíveis, tanto a CNIS como a Confecoop e as...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

A indisfarçável ausência de planeamento na gestão da pandemia
O medo instalou-se. É indisfarçável. Os números das últimas semanas anunciam o pior e as entidades oficiais confirmam. Teme-se a rotura nos hospitais. Entretanto, perante...

opinião

JOSÉ LEIRIÃO

Os dias passam e a incerteza permanece acerca do futuro na saúde e na economia e no emprego
A informação e as diferentes medidas tomadas pelos vários países na União Europeia são diferentes e, em muitos casos, contraditórias. Isto demonstra a falta...