HENRIQUE RODRIGUES

31 de Janeiro - Honra aos vencidos!

1 - De modo idêntico aos anos anteriores, decorreram na passada sexta-feira as comemorações do 31 de Janeiro, recordando a primeira tentativa de implantação da República em Portugal, em 1891, na manhã do dia 31 de Janeiro, na cidade do Porto.
O País vivia ainda a humilhação sofrida com o “Ultimatum” britânico, de Janeiro de 1890, em que a Inglaterra ordenava que Portugal abandonasse os territórios da África Austral, entre Angola e Moçambique, que tinham sido ocupados, em nome de Portugal, pela expedição dirigida por Serpa Pinto, e que constituíam o chamado “Mapa Cor de Rosa”.
O livro do célebre militar de Cinfães do Douro, “De Angola à Contracosta”, descreve o reconhecimento desses territórios e a incorporação dele nos domínios coloniais do nosso País.
Portugal – melhor, a Monarquia Portuguesa, sendo Rei D. Carlos I - vergou-se ao comando do Império Britânico, cedendo esses territórios aos ingleses; constituindo-se nesse espaço as colónias da Zâmbia e da Rodésia.
A cedência aos ingleses causou um vivo repúdio patriótico por parte do povo e das elites intelectuais burguesas; o que, de par com o crescimento do movimento republicano, através do respectivo Partido Republicano, levou à criação de condições propícias à implantação da República, através de uma Revolução.
(Uma das obras emblemáticas resultante dessa revolta contra a fraqueza da Monarquia foi o livro de Guerra Junqueiro, “Finis Patriae” – o “Fim da Pátria”:
“Ó cínica Inglaterra, ó bêbeda impudente,/ Que tens levado, tu, ao negro e à escravidão?/ Chitas e hipocrisia, evangelho e aguardente,/ Repartindo por todo o escuro continente/ A mortalha de Cristo em tangas de algodão.// Vendes o amor ao metro e a caridade às jardas,/ E trocas o teu Deus a borracha e marfim,/ Reduzindo-lhe o lenho a coronhas de espingardas,/ Convertendo-lhe o corpo em pólvora e bombardas,/ transformando-lhe o sangue em aguarrás e em gin …”
Passe a semântica que hoje diríamos racista … E era um poeta que era adepto das ideias novas … Mas era então outro o contexto …
Que me perdoem os novos vigilantes da liberdade de expressão: mas não dou para o peditório da condenação do passado pelo olhar de hoje.)
O movimento revolucionário do Porto, em 31 Janeiro de 1891, teve muitas semelhanças com o 25 de Abril de 1974: ambos foram levadas a cabo pelos militares mais modestos – sargentos, praças, escassos oficiais de baixa patente -; tendo ficado para a posteridade os nomes do Capitão Leitão, do Alferes Malheiro e do Tenente Coelho como os principais lideres militares da Revolta, nomes incontornáveis da toponímia portuense.
Não foi a condição de mais velho aliado de Portugal que impediu a Grã-Bretanha de destratar o nosso País, a pretexto de os direitos deste se oporem às suas ambições – o que devia deixar lições sobre o que são as relações entre Estados, designadamente quando um desses Estados é forte e o outro é fraco.

2 – Quem veio ao Porto apresentar a principal intervenção comemorativa do 31 de Janeiro, em 2020, foi Manuel Carvalho da Silva, o histórico dirigente da CGTP – que lembrou a coincidência de ter calhado também no dia 31 de Janeiro, mas de 2020, a data do “Brexit”; que, do mesmo modo que em 1891, envolve o Reino Unido e a forma como este interpreta e faz valer os seus interesses, mas envolve igualmente Portugal e os efeitos que a saída do Reino Unido da União Europeia poderá vir a ter no nosso País.
Como há 129 anos …
O 31 de Janeiro teve, além do mérito imediato de traduzir a Revolta do Porto contra o “Ultimatum” e a arrogância britânica, a natureza de uma premonição, de uma espécie de ensaio, da Revolução que, uns escassos 19 anos depois, em 5 de Outubro de 1910, haveria de levar à implantação da República.
A chamada Revolta do Porto constituiu ainda uma sequela, uma contiguidade, da Revolução de 24 de Agosto de 1820 – faz este ano 200 anos redondos -, também nascida e criada no Porto, que instaurou a democracia liberal representativa em Portugal, no modelo que ainda hoje perdura nos seus traços essenciais.
Também o 24 de Agosto germinou na revolta patriótica contra uma espécie de ocupação inglesa – já que era o Marechal inglês William Beresford quem ditava as leis em Portugal, a mando do Rei D.João VI, instalado no Brasil desde 1807.
Portugal fora invadido pelos exércitos de Napoleão – e o Príncipe Regente, D. João, futuro Rei D, João VI, acompanhado da sua Mãe, a Rainha D. Maria I, que enlouquecera, fugira com a Corte para o Brasil, mudando para o Rio de Janeiro a capital do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves.     
Tropas inglesas, que, durante as Invasões Francesas, entre 1807 e 1811, tinham vindo para o nosso País, a fim de ajudar a derrotar os invasores – o que não constituiu nenhum favor, uma vez que o principal inimigo de Napoleão eram as Ilhas Britânicas, só tendo invadido Portugal por o nosso País se ter colocado ao lado da Inglaterra nesse conflito entre as duas margens do Canal da Mancha – tropas inglesas por cá resolveram permanecer.
Era William Beresford quem chefiava a Junta de Regência, com o beneplácito da Corte, que se deixou ficar pelo Brasil após a derrota de Napoleão, agora já com o Príncipe D. João elevado a Rei, por morte da Rainha D. Maria I.
Entretanto, muito por influência do Espírito das Luzes, e dos ideais da Revolução Francesa, de 1789, baseada no tríptico constitutivo da democracia liberal -Liberdade, Igualdade, Fraternidade (ideais a que foram permeáveis as elites burguesas que conviveram com os ocupantes franceses, e de que eram igualmente portadores os soldados portugueses que haviam sido incorporados nos exércitos de Napoleão, e que regressaram a Portugal, findo o Império) -, a ambição de um sistema que acabasse com os antigos privilégios de classe, da nobreza e do clero, e instituísse um regime favorável à igualdade de todos os cidadãos e garantisse a liberdade de comércio passou a constituir um anseio cada vez mais forte.
Foi a esse anseio que os revolucionários do Porto, de 1820, corresponderam com a Revolução vitoriosa de 24 de Agosto, impondo ao Rei o seu regresso ao Reino e a promulgação da primeira Constituição Portuguesa, de 1822, consagrando a separação de poderes.

3 – A julgar pelos últimos séculos, não nos deu grande lucro a aliança com a Inglaterra, que nos vem desde o casamento de D. João I com D. Filipa, da Casa de Lancaster, nos finais do século XIV.
Não é de estranhar … A lição da História é que é sina dos pequenos acolherem-se à sombra dos fortes - o que foi o nosso destino ao longo desta antiga Aliança Luso-Britânica.
E a mesma lição é de que os pequenos ficam sempre a perder.
Como escreveu o Pe. António Vieira, no Sermão de Santo António aos Peixes, “A primeira cousa que me desedifica de vós, peixes, é que vos comeis uns aos outros … Não só vos comeis uns aos outros, senão que os grandes comem os pequenos …”
Quem diz peixes, diz países.
Mas sempre tenho para mim a ideia de que o chapéu da União Europeia nos serve melhor – e temos nela mais voz – do que o do chapéu da sujeição à soberania e sobranceria inglesa – que, quando, ao longo da História, houve vento, sempre nos levou de escantilhão.

Henrique Rodrigues (Presidente da Direcção do Centro Social de Ermesinde)

 

Data de introdução: 2020-02-06



















editorial

Alta clínica sem alta social

Um dos aspetos que, desde há vários anos, vem sendo identificado como prejudicando a melhor afetação dos recursos alocados ao funcionamento do SNS consiste no facto de existir um número muito significativo de pessoas que, após um...

Não há inqueritos válidos.

opinião

OPINIÃO DE MARIA JOÃO QUINTELA

Contra a eutanásia
Múltiplas entidades vêm promovendo, desde há vários anos, a formação para profissionais de saúde que lidam com as matérias ligadas ao envelhecimento,...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

A política no nosso tempo
O mundo em que vivemos é muito diferente do que foi noutras eras. Hoje, o mundo é mais complexo, mais contestado, mais competitivo, mais diversificado e muito mais dinâmico, já...