PRESIDENTE DA REPÚBLICA AO LADO DAS IPSS

Marcelo defende aumento do apoio do Estado às instituições sociais

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse saber as dificuldades atuais das instituições de solidariedade social e defendeu que, à medida que o país se "afasta da crise", se deve reforçar o apoio ao setor.

"Espero que, à medida que nos afastamos da crise, seja possível olhar com ainda maior atenção e apoio o esforço de instituições como esta", afirmou o chefe de Estado, numa intervenção durante a visita que efetuou à Associação de Desenvolvimento da Figueira, uma instituição particular de solidariedade social, na localidade de Figueira, no concelho de Penafiel.

Minutos antes, Ângelo Guedes, diretor da associação, tinha-se queixado da insuficiência de apoios do Estado às diferentes respostas sociais, nomeadamente ao serviço de apoio às vítimas de violência doméstica que existe na instituição há 14 anos e foi o primeiro do género no país.

Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que tomava "devida nota" das queixas do dirigente e referiu que a situação é semelhante à que tem observado em "muitas instituições de solidariedade social".

"Sei que a Segurança Social faz o que pode em muitos domínios, sei que essas instituições, em muitos casos, esperariam um apoio maior no domínio da saúde, e também, em parte, da solidariedade social", referiu.

Ouvido por dezenas de pessoas ligadas ao setor social na região de Penafiel, o Presidente da República prosseguiu: "A obra que aqui é desenvolvida e muitas outras obras por todo o país defrontam-se com desafios financeiros, técnicos, materiais e às vezes humanos. Portanto, precisam de uma atenção, de um apoio de uma solicitude ainda maior".

Insistindo na importância das IPSS, Marcelo Rebelo de Sousa recordou que, "quando o país atravessou várias crises, aquilo que suportou o tecido social, em larga medida, foi a rede de instituições de solidariedade social, que chegava onde o Estado não chegava, chegava onde até as autarquias sozinhas não podiam chegar, nem os municípios, nem as freguesias".

O Presidente da República referiu-se depois ao facto de a instituição estar a comemorar 25 anos de atividade, defendendo que se trata de algo muito importante.

"Eu dou valor a estes 25 anos porque sei o que custa criar esta obra e atingir os 25 anos", acentuou, reafirmando saber as dificuldades daquele tipo de instituições porque desde novo colaborou com várias, onde foi dirigente.

A visita do chefe do Estado aconteceu, como sublinhou Marcelo Rebelo de Sousa, a convite do conselheiro de Estado Lobo Xavier, presente na cerimónia, que tem casa na localidade e preside à assembleia-geral da instituição.

Ao longo da tarde, Marcelo foi recebido por dezenas de crianças e conheceu as várias respostas sociais da Associação de Desenvolvimento da Figueira, ao nível da infância, idosos, cuidados continuados e apoios às vítimas de violência doméstica, contactando demoradamente com os utentes.

O presidente da Câmara, Antonino Sousa, assinalou a tradição de Penafiel na área da assistência social, recordando que a Santa Casa da Misericórdia daquela cidade é das mais antigas do país.

A propósito da instituição de Figueira, uma pequena localidade com cerca de 300 eleitores, o autarca recordou que a valência de apoio às vítimas de violência doméstica, onde são acolhidas várias mulheres, foi criada há 14 anos, quando o assunto não tinha ainda o mediatismo atual, traduzindo a sensibilidade social que existe no concelho.

 

Data de introdução: 2019-03-18



















editorial

Compromisso de Cooperação

As quatro organizações representativas do Sector  (União das Mutualidades, União das Misericórdias, Confecoop e CNIS) coordenaram-se entre si. Viram, ouviram e respeitaram. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Regionalização
O tema regionalização mexe com interesses. Por isso, não é pacífico. Do que se trata é de construir uma forma diferente de distribuição de poder e,...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Primaveras que nunca chegaram
Morreu não há muito, em pleno tribunal onde iria ser julgado pela segunda vez, aquele que foi presidente egípcio entre 2012 e 2014, altura em foi deposto por um golpe militar...