CAMPANHA PARA EXPLICAR PRAZOS DE VALIDADE

Há produtos que não podem ser vendidos mas podem servir às IPSS

O setor da distribuição arrancou com uma campanha para ajudar os portugueses a interpretar e distinguir as datas de validade dos produtos, disse o diretor-geral da Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED) à Lusa. "É uma campanha de esclarecimento", no âmbito da Estratégia Nacional de Combate ao Desperdício Alimentar, já que há "má interpretação dos rótulos, dos prazos de validade", disse Gonçalo Lobo Xavier.

O mote da campanha é "as datas de validade não são todas iguais" e "saber a diferença faz a diferença".

Ou seja, o objetivo é ajudar o consumidor a interpretar e distinguir as diferentes indicações de datas de validade/durabilidade, ajudando-o a rentabilizar o consumo dos produtos alimentares e, acima de tudo, evitar o seu desperdício.

Assim, "em mais de 1.200" dos associados da APED - nos quais contam-se as cadeias Aldi, Continente, DIA - Minipreço, El Corte Inglés, Intermarché, Ikea, Jumbo/Pão de Açúcar, Lidl, Novo Horizonte e Pingo Doce - haverá informação sobre como ler os prazos de validade, em que no caso de certos produtos, há um prazo indicativo, mas após este expirar não significa que o mesmo não possa ser consumido.

O site da APED também terá informação a esclarecer as diferenças entre "data limite de consumo" e "datas de durabilidade mínima", além de um conjunto de dicas para conservar os produtos, e explicação sobre quais os produtos sem validade ou produtos com indicação de aproximação de fim de prazo de validade.

"Vamos ter informação em mupis e no site da Câmara Municipal de Lisboa", adiantou Gonçalo Lobo Xavier, acrescentando que a campanha vai ser alargada "a outras grandes cidades do país". "Segundo dados da União Europeia, estima-se que o retalho seja responsável por 5% do desperdício alimentar", sendo que a maior fatia advém do consumo doméstico, com um peso de 42%, acrescentou o diretor-geral da APED.

Daí a importância "em sensibilizar as pessoas para o combate ao desperdício alimentar, mas também de interpretação de datas de validade", acrescentou.

O diretor-geral da APED adiantou que as cadeias de retalho associadas "comprometeram-se a ter locais específicos nas suas lojas que facilitem a venda de produtos com prazo limite" e a reencaminharem produtos, cujo prazo já não permita comercializar, para IPSS - Instituições Particulares de Solidariedade Social e outras entidades que os consumo de imediato.

"Há produtos que estão a aproximar-se do fim de vida comercial, mas ainda estão em condições excelentes de consumo", sublinhou o responsável.

Entre estes produtos constam, por exemplo, bolachas ou conservas, entre outros.

"São produtos que têm segurança alimentar, mas do ponto de vista comercial" já não podem ser vendidos, disse, adiantando que o objetivo é combater o desperdício alimentar.

 

Data de introdução: 2019-02-04



















editorial

ESTADO E PROTECÇÃO SOCIAL

(...) Estas organizações estão protegidas pelo número 5 do artigo 63º da Constituição da República Portuguesa, que reconhece a  sua existência, enquadrando, então, as Instituições Particulares...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Mais proximidade e mais horizontalidade nas políticas sociais
Seguramente que em Portugal as realidades sociais são distintas, por exemplo, entre as regiões do interior, mais rurais, de outras, como os grandes centros urbanos e as suas periferias.

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

O peso da História
A História pesa sempre na construção da identidade de um país. Em alguns casos, ela é mesmo invocada como factor decisivo na definição da consciência...