CONTRATAÇÃO COLETIVA

Sector Social Solidário é exemplo em Portugal

Dados da Direção-Geral do Emprego e das Relações do Trabalho (DGERT), neste arranque de 2019 apurados, mostram que, no ano passado, foram publicadas 220 convenções coletivas (contra 208 em 2017), o número mais elevado desde 2010.
O número de trabalhadores abrangidos por contratação coletiva voltou a aumentar 10% em 2018 face ao ano anterior, ultrapassando 900 mil, revelam dados do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.
Neste particular, lembre-se que o Sector Social Solidário, que no seu conjunto representa cerca de 200 mil trabalhadores, é exemplar nesta matéria, representando 22,2%.
Mesmo no período mais difícil para a Contratação Coletiva, falamos dos tempos da Troika, as IPSS não deixaram de acordar com os sindicatos a devidas convenções coletivas.
Tal como reafirmou na tomada de posse dos órgãos sociais da CNIS para o quadriénio 2019-2022, o presidente da CNIS considera que “os trabalhadores não são um problema nas instituições” e lamenta que, “muitas vezes, não sejam reconhecidos na remuneração”.
O secretário de Estado do Emprego referiu um crescimento significativo. Já a CGTP considerou que, apesar do crescimento, os números ficam aquém do esperado.

 

Data de introdução: 2019-01-16



















editorial

Compromisso de Cooperação

As quatro organizações representativas do Sector  (União das Mutualidades, União das Misericórdias, Confecoop e CNIS) coordenaram-se entre si. Viram, ouviram e respeitaram. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Regionalização
O tema regionalização mexe com interesses. Por isso, não é pacífico. Do que se trata é de construir uma forma diferente de distribuição de poder e,...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Primaveras que nunca chegaram
Morreu não há muito, em pleno tribunal onde iria ser julgado pela segunda vez, aquele que foi presidente egípcio entre 2012 e 2014, altura em foi deposto por um golpe militar...