PADRE JOSÉ MAIA

“PORTUGUESES: satisfeitos com o governo …insatisfeitos com a VIDA”!

Foi exatamente esta a mensagem que o jornal PÚBLICO adotou, recentemente, como título de primeira página.

Convenhamos que não é, propriamente, normal que os portugueses, sempre críticos e insatisfeitos com os sucessivos governos, manifestem satisfação pela ação governativa do atual Governo. Porém, está à vista de toda a gente que a acalmia social em que temos vivido, apesar da permanência de muitos problemas sociais ainda não resolvidos, deve ser atribuída ao atual Governo e ao Presidente da República que, de forma coordenada, têm provado que é preciso saber fazer política para estar de bem com o Povo. Até os sindicatos amainaram!!!

Também aqui se confirma a importância de saber gerir as expetativas dos eleitorados!

Já em relação à insatisfação das pessoas com o quotidiano, somos confrontados com índices de satisfação que colocam Portugal num dos lugares mais baixos da Europa.

Apesar de se ter registado um aumento de satisfação em relação a anos anteriores, em que a mesma questão lhes foi colocada, já em relação ao estado da saúde, por exemplo, continuam ainda como perceções negativas sobre o Serviço Nacional da Saúde, onde estamos em 9ª posição mais insatisfeita.

Não será, por acaso, que só 49% dos inquiridos consideram bom o estado da saúde em Portugal! E os outros 51%?

Resulta das conclusões do estudo, que foi oportunamente realizado e que está na base destas conclusões, a perceção negativa sobre a falta de medidas para reduzir as diferenças entre os níveis de rendimento dos cidadãos.

Atenção: em relação a esta perceção convém assinalar que nove em cada dez consideram muito injusta esta diferença!

Acredito que o Governo, que se tem mostrado exímio em gerir expetativas, andará especialmente atento à “voz da rua” que começa a dar sinais de insatisfação em relação ao que se passa no SNS e às crescentes diferenças entre os níveis de rendimento dos cidadãos.

Já em relação à educação…parece que vamos ter tempestade à vista!

Para bem de todos, espera-se que o Primeiro-ministro continue a revelar-se um político experiente e hábil na forma de lidar com os sucessos e insucessos do seu Governo, tudo fazendo para saber harmonizar a aplicação de boas medidas políticas com o valor da paz social.

 

Pe. José Maia

 

 

Data de introdução: 2018-06-15



















editorial

Os pobres e as Instituições de Solidariedade

(...) Se o Sector Social e Solidário é um muito importante pilar do Estado Social, corre sérios riscos de colapso porque o Estado não está a corresponder às expectativas criadas aquando da celebração do Pacto de...

Não há inqueritos válidos.

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

América Latina: uma outra deriva?
Em democracia, nada é definitivo. E nada é definitivo, porque a democracia pressupõe a realização cíclica de eleições, e os resultados dessas...

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Greves e serviços mínimos...
Após um longo tempo de quase ausência de greves, proeza atribuída às políticas de reversão de direitos dos trabalhadores e, em geral, de todos os portugueses...