ASSOCIAÇÃO DE PARALISIA CEREBRAL DE COIMBRA

Produção das flores para os carros da Queima das Fitas em marcha

A Queima das Fitas de Coimbra é só em maio, mas na Associação de Paralisia Cerebral de Coimbra (APCC) já há quem esteja a tratar de tudo para que o cortejo corra pelo melhor.
Os utentes do Centro de Atividades Ocupacionais da instituição já começaram a fazer as famosas flores de papel que embelezam os carros do desfile académico, repetindo uma iniciativa iniciada em 2003.
Com as primeiras encomendas já na Quinta da Conraria, as cores ligadas à Academia já se veem um pouco por todo o lado naquele espaço da APCC e o entusiasmo por poder participar nesta enorme tradição da cidade de Coimbra é notório entre os utentes. Isto não deixa de fora os restantes elementos da instituição, estando também os colaboradores no apoio à produção das flores.
Trata-se de uma iniciativa em que todos saem a ganhar: os estudantes conseguem uma preciosa ajuda numa altura do ano em que todos os minutos contam e os utentes da APCC são justamente compensados pelo seu esforço, repartindo entre si os lucros desta atividade, além de realizarem um trabalho com visibilidade pública e alargada.
A instituição, conhecedora da sua capacidade de produção, mantém a possibilidade de encomenda até ao dia 20 de abril, podendo ser feita através dos contactos telefónicos 239 792 120 e 239 802 820. Em 2017, os utentes da APCC fizeram mais de 30 mil flores, que alindaram, coloriram e desfilaram em 25 carros, justificando assim plenamente o mote «Tu fazes a festa, nós fazemos as flores!».

 

Data de introdução: 2018-04-05



















editorial

ESTADO E PROTECÇÃO SOCIAL

(...) Estas organizações estão protegidas pelo número 5 do artigo 63º da Constituição da República Portuguesa, que reconhece a  sua existência, enquadrando, então, as Instituições Particulares...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Mais proximidade e mais horizontalidade nas políticas sociais
Seguramente que em Portugal as realidades sociais são distintas, por exemplo, entre as regiões do interior, mais rurais, de outras, como os grandes centros urbanos e as suas periferias.

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

O peso da História
A História pesa sempre na construção da identidade de um país. Em alguns casos, ela é mesmo invocada como factor decisivo na definição da consciência...