FESTA DA SOLIDARIEDADE 2018

Encontro Nacional de IPSS sobre cooperação completa programa

Desde setembro em território setubalense, a Chama da Solidariedade continua a percorrer os concelhos do distrito de Setúbal, cuja capital acolherá a Festa da Solidariedade, na Praça José Afonso.
“O local escolhido é muito interessante e acolhedor”, referiu Eleutério Alves, acrescentando que a Festa “terá o formato habitual”.
Por outro lado, a CNIS vai realizar um Encontro Nacional de IPSS, direcionado a dirigentes e a técnicos, em que o tema da cooperação, uma matéria “que mexe muito com o Setor e desperta muito interesse nas instituições”, como referiu Eleutério Alves. A data avançada para a realização deste encontro foi o dia 7 de junho, mas após algum debate no seio do Conselho Geral, a Direção colocou à votação dos conselheiros a possibilidade de o mesmo ser realizado no dia 9, contornando o facto de ser a uma quinta-feira passando, assim, para um sábado, o que facilita a participação de dirigentes e técnicos, em especial dos oriundos das regiões mais distantes de Setúbal.
Os conselheiros foram maioritariamente de opinião que o Encontro Nacional de IPSS deve realizar-se no dia 9 (sábado), facilitando a adesão de dirigentes e técnicos.
Face a esta posição, a Direção da CNIS, em consonância com a UDIPSS Setúbal, irá estudar a melhor calendarização para o Encontro Nacional e para a Festa da Solidariedade, estando em cima da mesa a possibilidade de o primeiro ser no dia 8 de junho e a segunda (inicialmente prevista para sexta-feira) passar para dia 9, realizando-se no sábado, afinal como foi na maioria das sua anteriores 11 edições.
Quanto à Festa da Solidariedade, a intenção da CNIS, juntamente com a UDIPSS Setúbal, é a de elaborar o programa até ao final de Abril, desafiando todas as instituições associadas a participarem, “para que haja uma representação de todo o País”.
Uma vez que a Chama da Solidariedade há já alguns meses que percorre o território sadino e continuará a fazê-lo até junho, “este ano não haverá a habitual semana da Chama, em que esta visita diversos concelhos e instituições”, revelou o dirigente da CNIS, acrescentando: “A Chama não corre o distrito em uma semana, mas está um mês em cada concelho. E até agora tem sido uma viagem surpreendentemente participada. Com este formato, a UDIPSS Setúbal conseguiu que em cada mês um concelho viva a solidariedade”.
Por seu turno, Fernando Sousa, presidente da UDIPSS Setúbal, começou por dizer que “tem sido uma grande iniciativa da CNIS, a que a UDIPSS se juntou, mas é a CNIS que está no terreno”, deixando nota da grande participação das instituições dos diferentes concelhos e também das autarquias.
“Tem havido uma adesão bastante grande, não só da comunidade, mas também com iniciativas de pensamento. As instituições estão a afirmar-se e não são um bando de malfeitores”, frisou Fernando Sousa, afirmando: “Setúbal é um distrito de gente de bem e solidária”.
Esta afirmação do presidente da UDIPSS Setúbal encontra-se com a realidade não apenas no vasto número de instituições e de respostas sociais que povoam o distrito, mas igualmente na forma entusiástica e muito participada com que a Chama da Solidariedade tem sido acolhida desde setembro, quando iniciou o seu périplo pelo território setubalense.
O arranque aconteceu no concelho do Seixal, prosseguiu pelos de Almada, Palmela, Santiago do Cacém, Sines, Alcácer do Sal, Grândola, Barreiro e Moita e percorrerá ao longo do mês de março os concelhos de Montijo e Alcochete.
Até à data da 12ª edição da Festa da Solidariedade, na Praça José Afonso, na cidade do Sado, a flama solidária passará ainda, no mês de abril, pelo concelho de Sesimbra, encerrando a viagem, ao longo de maio, pelo de Setúbal, onde permanecerá até ao evento que congregará instituições, dirigentes, trabalhadores e utentes de todo o País em representação das milhares de IPSS que por todo o território nacional servem de almofada social às populações.

SOLIDARIEDADE EM LIVRO

No início do périplo pelo distrito de Setúbal, a Chama da Solidariedade motivou a realização de uma iniciativa paralela, da autoria do CLAS do Seixal, e que tem sido alvo de enorme adesão por parte das IPSS de todos os concelhos por onde já passou.
Trata-se da elaboração do «Livro da Solidariedade», uma construção da responsabilidade das diversas instituições que participam na viagem da Chama.
É um livro cujas folhas serão acrescentadas à medida do contributo das instituições dos vários concelhos do distrito setubalense, mas em que não está posta de lado a possibilidade de ser uma publicação com vários volumes.
O «Livro da Solidariedade» está a ser concebido em formato A3, na horizontal e cujas folhas são concebidas e trabalhadas em base de tecido.
As entidades da parceria podem trabalhar uma página, na horizontal, com uma mensagem de cariz solidário, recorrendo a vários materiais, como pintura, colagem, poesia, etc..
Não são consideradas folhas que não respeitem o tamanho A3 (29,7 cm x 42 cm) e, do lado esquerdo, tem de ser deixada uma margem de cerca de três centímetros, para posterior colocação dos ilhós.
Esta é mais uma iniciativa que pretende congregar as instituições em torno da Chama e da Festa da Solidariedade e que tem granjeado grande adesão por parte das instituições.

 

Data de introdução: 2018-03-08



















editorial

Cuidadores e propostas legislativas

A proposta "cuidador", à partida, enferma de um significado redutor "ao cuidado", do que são as normais relações familiares e de afeto que devem ser apoiadas, incentivadas e protegidas e não objeto de...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

As IPSS serão cada vez mais importantes
Acredito que as Instituições Particulares de Solidariedade (IPSS) vão ter uma importância acrescida no futuro e explico a razão desta minha convicção. 

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Popularidade e populismo
Em política, nem sempre é fácil distinguir entre popularidade e populismo. É verdade que não estamos perante dois conceitos absolutamente idênticos, mas uma coisa...