PATRIMÓNIO DOS POBRES DE ÍLHAVO

Dificuldades financeiras levam à criação da Liga dos Amigos

O grito de alerta foi dado e foi ouvido pela comunidade. O Património dos Pobres de Ílhavo, IPSS ligada à paróquia e que assegura três equipamentos e quatro respostas sociais – Lar de S. José (ERPI e Centro de Dia), Lar do Divino Salvador (Centro de Acolhimento Temporário para mães solteiras e mulheres vítimas de violência) e a Obra da Criança (Lar de Infância e Juventude) –, é um barco a navegar em águas agitadas, muito devido aos encargos que tem que suportar depois das obras de ampliação e requalificação do Lar de S. José.
Como instituição da Igreja que é, foi no seu seio que o apelo dos responsáveis pela instituição primeiro foi ouvido, logo tendo sido dados os primeiros passos para encontrar uma forma de ajudar.
É neste contexto que no arranque do ano de 2018 nasce a Liga dos Amigos do Património dos Pobres de Ílhavo, com o único propósito de encontrar formas de ajudar financeiramente a instituição cujas respostas sociais que promove são, reconhecidamente, deficitárias, pois não tem qualquer comparticipação dos utentes. Falamos do Lar de Infância e Juventude (LIJ) e do Centro de Acolhimento Temporário (CAT).
“O objetivo deste grupo é criar Amigos, que de uma forma solidária e interessados em ajudar, possam contribuir financeiramente para a instituição”, refere Paulo Edgar, diretor-geral da instituição e também ele um Amigo, acrescentando que, para além da quota de um euro por mês, ou seja, 12 euros por ano, os Amigos podem contribuir para projetos concretos.
Isto é, a abordagem da Liga aos Amigos não passa pelo simples pedir dinheiro, mas, primeiro, identificar necessidades e, então, pedir dinheiro para intervenções concertadas e perfeitamente definidas, tais como as que, no momento, estão em causa: criar corrimãos em todos os corredores do Lar; dotar a instituição de modernas ajudas técnicas, em particular para os banhos; ou adquirir equipamentos estimuladores elétricos para a fisioterapia.
“O panorama financeiro é complicado”, assumiu o diretor-geral do Património, porque “até 2020” a instituição tem um encargo mensal com a banca “muito pesado”, fruto de um investimento no equipamento que atingiu os 1,5 milhões de euros.
De momento, com um corpo de cerca de uma centena de funcionários, o Património acolhe no Lar S. José mais de meia centena de utentes, no Lar do Divino Salvador cerca de 30 mulheres e filhos e na Obra da Criança um máximo de 30 menores institucionalizados.
Ouvido primeiro no seio da comunidade mais próxima da Igreja, com grande adesão dos elementos do Grupo de Jovens, o pedido de ajuda da instituição ilhavense tem já chegado a outras franjas da comunidade e, passados dois meses, são já cerca de três centenas os que decidiram juntar-se à Liga dos Amigos do Património dos Pobres de Ílhavo.
Para além disto, Paulo Edgar destaca a solidariedade que existe na comunidade de Ílhavo, tendo a instituição já sido alvo de doações, como do Rotary Clube de Ílhavo que organiza a prova de BTT «Rota do Bacalhau» e cuja verba das inscrições ajudou a remodelar as instalações da Obra da Criança, ou do campeonato de bodyboard, «Miss Activo Cup» que promove a «Onda Solidária», em que por cada onda surfada reverte um euro para o Lar do Divino Salvador.

Pedro Vasco Oliveira (texto e fotos)

 

Data de introdução: 2018-03-08



















editorial

A IMPORTÂNCIA ECONÓMICA DAS IPSS

Há dados sobre as IPSS bem conhecidos: em 31 de dezembro último, contando naturalmente com as regiões autónomas, entre associações (3.121), cooperativas (50) e fundações (329) de solidariedade social, centros sociais...

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Europa: Quem te viu e quem te vê...
Escrevo esta crónica num dia em que os líderes dos 28 países da União Europeia tiveram de fazer um longo serão para poderem redigir um documento político de...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Migrações e crises políticas
Desde a sua criação, já foram muitas as crises que ameaçaram o progresso e a estabilidade da União Europeia. Algumas dessas crises obrigaram à...