BANCO FARMACÊUTICO

Farmácias recolhem medicamentos para as IPSS

Mais de 200 farmácias por todo o País vão recolher, este sábado (dia 17 de fevereiro), medicamentos para distribuir pelos utentes de 100 IPSS, no âmbito do programa Banco Farmacêutico, que em nove anos doou 82 mil fármacos.
A Jornada de Recolha de Medicamentos, que visa unir a sociedade no apoio aos mais necessitados, assinala este ano 10 anos e pela primeira vez decorrerá em todos os distritos de Portugal continental, segundo a porta-voz do Banco Farmacêutico, Ana Formigal.
Entre as 9h00 e as 19h00, 600 voluntários vão recolher nas 230 farmácias aderentes medicamentos não sujeitos a receita médica e produtos de saúde que serão depois distribuídos pelos "milhares de utentes" apoiados pelas 100 IPSS beneficiárias.
Ana Formigal destaca o papel que os voluntários desempenham ao longo da iniciativa, estando presentes em cada farmácia a fazer a recolha e a divulgar a importância que o Banco Farmacêutico tem para os seus beneficiários.
Cada farmácia está alocada a uma instituição, que pode ser um lar de terceira idade, um centro paroquial, uma casa de acolhimento de crianças em risco, e recolhe os medicamentos consoantes as necessidades específicas da associação.
"Se uma farmácia está a recolher para a Ajuda de Berço está a recolher coisas diferentes do que outra que está a recolher para a Comunidade Vida e Paz", explica a responsável e revela que o objetivo é colmatar as necessidades e não criar excesso de produtos que não interessam à instituição, uma situação que as "pessoas valorizam muito".
E também "valorizam o facto de as farmácias estarem a receber para a instituição da sua área de influência", porque conhecem o trabalho da IPSS e "doam com mais facilidade e mais vontade".
Com esta iniciativa "estamos a abranger milhares de pessoas carenciadas", que de outra forma não tinham possibilidade de adquirir estes medicamentos.
Os medicamentos doados têm de ser novos, seguros, de qualidade e que não tenham saído do circuito do medicamento, ou seja, são apenas aceites medicamentos dispensados nas farmácias.
"Fomos pioneiros e continuamos sempre na linha da frente desta temática, porque não há muitas iniciativas deste género e é uma carência muito acentuada em Portugal", sustenta Ana Formigal.
A iniciativa nasceu "muito modestamente" há 10 anos nos distritos de Lisboa e Setúbal. Desde então, "temos vindo sempre a crescer, o que é importante porque conseguimos angariar mais medicamentos e alertar as pessoas para esta necessidade e envolver os voluntários no trabalho social", disse Ana Formigal.
Nas nove edições anteriores, o Banco Farmacêutico entregou um total de 82 mil medicamentos e produtos de saúde a diversas instituições.
Em 2017 conseguiu angariar um total de 14.000 medicamentos, uma "subida bastante significativa face aos anos anteriores".

 

Data de introdução: 2018-02-16



















editorial

CASAS DO POVO

1. As Casas do Povo foram criadas no regime do "Estado Novo" pelo Decreto-Lei n.º 23 051, de 23 de setembro de 1933, como peça chave da organização corporativa do trabalho rural. Funcionavam como organismos de...

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Democracia à prova!
Portugal vai confrontar-se, a curto prazo, com um conjunto de testes à sua forma de organização como sociedade democrática!

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Comércio Internacional: a outra guerra
Parece que o mundo ultrapassou recentemente mais uma crise ameaçadora para a Paz no mundo. Falamos, claro está, da surpreendente aproximação entre a Coreia do Norte e os Estados...