SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE BRAGANÇA

«500 anos a fazer o Bem» comemorados ao longo de todo o ano

A 6 de julho de 1518, com chancela de D. Manuel I, foi criada a Confraria da Santa Casa da Misericórdia de Bragança. 500 anos («a fazer o bem») depois, a Santa Casa da Misericórdia de Bragança preenche o ano de 2018 com atividades, eventos e iniciativas para condignamente celebrar meio milénio de história.
“500 anos têm que ser comemorados com dignidade”, começou por dizer Eleutério Alves, provedor da Misericórdia brigantina na conferência de Imprensa de apresentação do vasto e variado programa das comemorações.
“São 350 trabalhadores e mais de um milhar de utentes que todos os dias passam pela Santa Casa e queremos que todos se sintam envolvidos nas comemorações”, sustentou, endereçando um convite a população de Bragança: “Existimos pela comunidade e queremos que ela participe”.
O programa de comemorações estende-se por todo o ano e em cada mês estará em destaque uma das diversas áreas de intervenção da instituição.
“É um programa ambicioso mas envolve todas as áreas da Santa casa”, sublinhou o provedor.
Ana Paula Pires, coordenadora das comemorações, explicou “o programa toca todos os eixos de intervenção da Santa Casa” e que “cada mês do ano servirá para divulgar as boas práticas” de cada uma dessas áreas de intervenção.
Por força da data de fundação, julho é o mês forte das celebrações, com um intenso programa a realizar entre os dias 2 e 7.
Ponto alto será o dia 6 de julho, com a sessão comemorativa dos 500 anos na qual os responsáveis pela instituição esperam poder contar com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, a quem já foi endereçado o convite.
Antes haverá uma sessão de apresentação do livro dos 500 anos da SCMB e ainda da reedição de «Santa Casa de Bragança», da autoria de monsenhor José de Castro.
Janeiro é dedicado aos idosos, Fevereiro ao acompanhamento social, março o enfoque estará na Semana Santa, abril abre os braços à infância, maio desabrocha com o desporto e junho fica no calendário pelas jornadas museológicas, subordinadas ao tema «Museologia nas Misericórdias».
O programa no segundo semestre do ano, passada a celebração da data de aniversário, prosseguirá com o mês de setembro a ser dedicado à Saúde, com a realização do I Congresso Ibérico em Cuidados Continuados Integrados, em outubro dará destaque à vertente cultural, novembro dará enfoque à luta contra a violência sobre as mulheres e ficará assinalado pela inauguração do Centro de Recursos e, por fim, em dezembro acolherá a Semana da Inclusão.
Do programa fazem ainda parte palestras sobre diferentes temáticas, lançamento de livros e exposições sobre os 500 anos da Misericórdia de Bragança.
E numa altura em que festeja 500 anos de vida, a Santa Casa da Misericórdia de Bragança não descansa na confortável almofada do passado e prossegue na busca das melhores respostas para os problemas do presente e os que se desenham no futuro.
Nesse sentido, porque “a Santa Casa tem que estar atenta já que existe para resolver problemas”, “há vontade de intervir na área da saúde mental que está muito negligenciada em Bragança”, revelou o provedor Eleutério Alves, frisando: “A saúde mental é uma área que está muito mal resolvida no distrito de Bragança”.

 

Data de introdução: 2018-01-20



















editorial

Os pobres e as Instituições de Solidariedade

(...) Se o Sector Social e Solidário é um muito importante pilar do Estado Social, corre sérios riscos de colapso porque o Estado não está a corresponder às expectativas criadas aquando da celebração do Pacto de...

Não há inqueritos válidos.

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

América Latina: uma outra deriva?
Em democracia, nada é definitivo. E nada é definitivo, porque a democracia pressupõe a realização cíclica de eleições, e os resultados dessas...

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Greves e serviços mínimos...
Após um longo tempo de quase ausência de greves, proeza atribuída às políticas de reversão de direitos dos trabalhadores e, em geral, de todos os portugueses...