LINO MAIA, PRESIDENTE DA CNIS

Há empolamento de situações para descredibilizar o setor social

O presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS) considerou que está a haver "um empolamento" de situações no setor social para descredibilizar uma área que é "extremamente importante" e à qual o país "deve muito".

"No caso concreto da Fundação O Século, não sei o que se passa, mas está a haver um empolamento e exploração de situações, o que me parece tendencioso no sentido de descredibilizar um setor que é extremamente importante e a que Portugal deve muito", disse à agência Lusa o padre Lino Maia.

Lino Maia disse temer que "este empolamento leve ao afastamento da comunidade" das instituições, "a uma diminuição do voluntariado e a uma menor solidariedade na sociedade", uma situação que considera grave.

Estas situações "mancham o setor e desmobilizam uma comunidade que é de facto solidária", sustentou.

Defendeu, contudo, que os casos que merecem denúncia "devem ser tratados sem contemplações".

"Mas são casos muito, muito esporádicos", sublinhou o presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade.

"O geral é ótimo e é da bondade deste setor que devemos falar", disse Lino Maia, vincando que o setor social é "a expressão do povo português, um povo solidário, que se envolve" para resolver problemas.

Questionado pela Lusa sobre se chegam à CNIS denúncias de irregularidades em instituições, Lino Maia disse que "muito raramente", explicando que a função da confederação não é de fiscalizar as instituições particulares de solidariedade social.

Segundo o presidente da CNIS, existem cerca de 5.000 instituições de solidariedade no país, das quais 2.950 estão filiadas nas CNIS, que são responsáveis por cerca de 200 mil trabalhadores e beneficiam diretamente 600 mil utentes.

"Temos instituições desde a aldeia mais recôndita de Bragança até à mais ocidental da ilha das Flores, nos Açores", disse, defendendo que é preciso "favorecer este interesse de cada um por todos e todos por cada um".

"Só assim é que o país poderá progredir" e proporcionar igualdade de oportunidades para todos com o envolvimento da comunidade, rematou.

A Polícia Judiciária esteve na quinta-feira nas instalações da Fundação O Século a realizar buscas, por suspeitas de crimes económico-financeiros cometidos por alguns elementos, disse à Lusa fonte policial.

Mais tarde o Ministério Público esclareceu que na origem das buscas estiveram suspeitas da prática dos crimes de peculato e de abuso de poder, de 2012 até hoje.

 

Data de introdução: 2018-01-05



















editorial

Uma cultura muito nossa

(...) Uma "cultura muito nossa" em que cada português se sente "guarda do seu irmão" e em que ninguém rejeita "fazer o que está ao seu alcance na construção coletiva" de um melhor devir para cada e para todos.

inquérito

O Orçamento de Estado para 2018 é favorável ou prejudicial ao funcionamento das IPSS?

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

2018: Mais Justiça Social...Precisa-se!
Faz parte da tradição de fim de ano “fazer balanços” sobre tudo e mais alguma coisa! Ninguém (particular ou empresa) resiste à tentação de...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

AMÉRICA CENTRAL: Eleições e instabilidade social
Entre os anos setenta e noventa do século passado, a América Central, foi objecto de grande interesse por parte da opinião pública internacional. Pelo menos, alguns dos...