ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

Primeiro-ministro recusa diabolizar ação das IPSS por um caso concreto

O primeiro-ministro recusou diabolizar a ação das IPSS “a propósito de um caso concreto”, garantindo que a atividade da Raríssimas “decorre normalmente” e que a auditoria da Segurança Social será pública.
No debate quinzenal com o primeiro-ministro na Assembleia da República, a coordenadora do BE, Catarina Martins, usou o último minuto da sua intervenção para falar sobre o caso da Raríssimas, sobre a qual “tem existido um alarme social”, questionando António Costa se o Governo vai tornar pública a auditoria em curso e se garante que os utentes continuarão a ter apoio.
“Nós consideramos que é muito relevante o contributo das IPSS, como das misericórdias, como das mutualidades para a ação de apoio social em Portugal. Não diabolizamos a ação das IPSS em geral a propósito de um caso concreto, nem diabolizamos a atividade de uma associação por factos eventualmente ilícitos praticados por uma dirigente dessa associação”, começou por responder o primeiro-ministro.
Sobre a auditoria da Segurança Social, o primeiro-ministro garantiu que “será obviamente pública” quando terminada, assegurando ainda: “Tudo temos feito e a informação que dispomos da equipa da Segurança Social é que a sua atividade decorre normalmente para bem das crianças que estão a seu cargo”.
Até agora, afirmou António Costa, não tem sido “posto em causa o trabalho da associação relativamente às crianças que tem a seu cargo”.
“A intervenção da Segurança Social tem visado, em primeiro lugar, que a instituição possa continuar a trabalhar, a desenvolver o seu trabalho que tem sido unanimemente reconhecido como muito meritório para proteção e benefício das crianças que tem a seu cargo”, explicou.
O primeiro objetivo, insistiu António Costa, “é proteger e salvaguardar os interesses das crianças que estão a cargo da Raríssimas”.
“Se há factos ilícitos, obviamente ninguém está acima da lei e a lei deve atuar. Foi nesse sentido que temos vindo a intensificar as ações de fiscalização da inspeção da Segurança Social sobre as IPSS”, sublinhou.
António Costa recordou ainda que, entre 2015 e novembro de 2017, foram desencadeadas cerca de 1615 ações inspetivas.
“Confiamos naquilo que a justiça fará”, sublinhou.

 

Data de introdução: 2017-12-20



















editorial

CASAS DO POVO

1. As Casas do Povo foram criadas no regime do "Estado Novo" pelo Decreto-Lei n.º 23 051, de 23 de setembro de 1933, como peça chave da organização corporativa do trabalho rural. Funcionavam como organismos de...

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Democracia à prova!
Portugal vai confrontar-se, a curto prazo, com um conjunto de testes à sua forma de organização como sociedade democrática!

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Comércio Internacional: a outra guerra
Parece que o mundo ultrapassou recentemente mais uma crise ameaçadora para a Paz no mundo. Falamos, claro está, da surpreendente aproximação entre a Coreia do Norte e os Estados...