PRÉMIO BPI CAPACITAR 2017

700 mil euros para 20 projetos inclusivos para pessoas com deficiência

No âmbito da 8ª edição do Prémio BPI Capacitar, 20 instituições de solidariedade receberam 700 mil euros para apoiar projetos que promovem a inclusão social, a melhoria da qualidade de vida e a autonomia de pessoas com deficiência ou incapacidade permanente, reforçando em 200 mil euros a dotação inicialmente prevista.
O primeiro prémio foi, «ex aequo», para a ARCIAL - Associação para a Recuperação de Crianças Inadaptadas de Oliveira do Hospital e para a APELA - Associação Portuguesa de Esclerose Lateral Amiotrófica, ambas associadas da CNIS.
A ARCIAL apresentou um projeto de formação e integração de jovens com deficiência nos trabalhos de germinação de árvores, apoiando a reflorestação de área ardida na região, enquanto o projeto da APELA visa melhorar a qualidade de vida de doentes retidos em domicílio, através da dinamização de uma equipa itinerante multidisciplinar.
Mais especificamente, o projeto apresentado pela ARCIAL proporciona dois benefícios complementares à comunidade onde se insere a partir de uma única ação. É que ao propor a participação de jovens com deficiência num projeto socialmente útil, como é a reflorestação, está igualmente a contribuir para recuperar as zonas da região afetadas pelos incêndios do último verão em Portugal. Na base do projeto está a formação e a integração de jovens com deficiência em trabalhos de germinação de árvores autóctones em estufa, com o objetivo de contribuir posteriormente para a reflorestação de área ardida na região. Dessa forma é potenciada a capacitação dos jovens para a inclusão social e a sua reintegração no mercado de trabalho, transmitindo ao mesmo tempo valores associados à sustentabilidade.
Já o projeto da APELA inclui uma componente de apoio direto aos doentes que estejam já sob limitações profundas causadas pela doença e uma outra componente associada à prevenção. A instituição pretende dinamizar uma equipa itinerante multidisciplinar, com o objetivo de prevenir e retardar os sintomas evolutivos da doença, como a perda de mobilidade, da fala, da deglutição e da respiração. Está prevista também a disponibilização de soluções tecnológicas de comunicação criadas a pensar nos pacientes retidos no domicílio, que ajudem a melhorar a resposta social a uma necessidade específica.
O BPI distinguiu ainda os projetos de outras 18 instituições com menções honrosas de um universo de 224 candidaturas, com o júri a selecionar aos 20 melhores projetos em termos de sustentabilidade, inovação e impacto social.
A saber: ARCIAL (31.587 euros); APELA (50.000); ARIA - Associação de Reabilitação e Integração Ajuda (50.000); CERCIPENELA – Cooperativa para a Educação e Reabilitação de Cidadãos Inadaptados de Penela, CRL (33.160); APPACDM de Coimbra (47.659); MADI de Vila do Conde - Movimento de Apoio ao Diminuído Intelectual (48.006); Federação Portuguesa de Desporto para Pessoas com Deficiência (49.900); Pais em Rede Associação (28.533); Centro Social e Cultural S. Pedro de Bairro (37.779); Associação Histórias para Pensar – Projecto Mãos que Cantam (34.120); AFPAD - Associação Famalicense de Prevenção e Apoio à Deficiência (50.000); Novamente – Associação de Apoio ao Traumatizado Crânio-Encefálico e Sua Família (17.413); CAPITI - Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Infantil (40.000); APPACDM de Portalegre (39.737); Associação Rumo à Vida (15.016); Comissão de Apoio Social e Desenvolvimento de Santa Catarina (43.669); APN - Associação Portuguesa de Neuromusculares (37.905); CERCIMA (13.776); AAMA - Associação de Atividade Motora Adaptada (7.550); e APPACDM de Setúbal (24.1921).
Criado em 2010, o Prémio BPI Capacitar já atribuiu mais de 4,6 milhões de euros a instituições sem fins lucrativos para a implementação de 145 projetos de inclusão social que contribuem diariamente para melhorar a qualidade de vida de mais de 32 mil beneficiários diretos em todo o território nacional.

 

Data de introdução: 2017-12-14



















editorial

Uma cultura muito nossa

(...) Uma "cultura muito nossa" em que cada português se sente "guarda do seu irmão" e em que ninguém rejeita "fazer o que está ao seu alcance na construção coletiva" de um melhor devir para cada e para todos.

inquérito

O Orçamento de Estado para 2018 é favorável ou prejudicial ao funcionamento das IPSS?

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

2018: Mais Justiça Social...Precisa-se!
Faz parte da tradição de fim de ano “fazer balanços” sobre tudo e mais alguma coisa! Ninguém (particular ou empresa) resiste à tentação de...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

AMÉRICA CENTRAL: Eleições e instabilidade social
Entre os anos setenta e noventa do século passado, a América Central, foi objecto de grande interesse por parte da opinião pública internacional. Pelo menos, alguns dos...