UDIPSS BRAGA

Piquenique e convívio intergeracional no fecho da Semana Social

O dia até nasceu envergonhado, mas com o decorrer das horas o Sol levou a melhor sobre as nuvens, aqueceu corpos e espíritos e abrilhantou de forma intensa o encerramento da Semana Social da UDIPSS Braga que encheu de alegria e animação a zona envolvente do Santuário da Penha, em Guimarães.
Às nove da manhã já o assador estava a ser montado, onde pouco depois uma vitela seria assada e distribuída por muitos dos convivas, uma gentileza da vimaranense Venerável Ordem Terceira de S. Francisco. Em frente ao Santuário da Penha eram, também, montados os insufláveis que momentos depois levariam a criançada ao delírio coletivo.
A intenção era celebrar de forma descontraída a solidariedade no distrito de Braga, depois de dois dias de abordagem a assuntos mais sérios em outros tantos seminários («Os Modelos de Negócio das Organizações Sem Fins Lucrativos» e «Investimento Social: Tendências e Desafios»).
“No primeiro dia olhámos para aquilo que é a sustentabilidade das instituições, uma matriz de gestão que possa ser cuidada, naquilo que é a fidelidade à matriz e à missão que as IPSS não podem nunca descurar”, começou por referir o cónego Rosmaninho Mariz, presidente da UDIPSS Braga, responsável e promotora da Semana Social, que este ano se realizou pelo segundo ano consecutivo.
Sobre o segundo seminário, que também aconteceu em Guimarães, cidade escolhida para acolher a segunda edição da iniciativa, o presidente da União Distrital recordou que foram abordados temas “mais no âmbito estatal e da Segurança Social, enquadrando a perspetiva do 2020, a inovação social e de tudo aquilo que é novo e que as instituições nem sempre estão sensibilizadas”, rematando: “O propósito era precisamente sensibilizá-las para estas novas realidades e possibilidades”.
Depois de dois dias mais institucionais, o terceiro e último dia da Semana Social minhota foi de puro convívio e diversão.
E não podia ter melhor final a Semana Social do que um são convívio entre diversas gerações que começou com um belo de um piquenique e terminou em festa e com muita música.
Os grupos das muitas IPSS que marcaram presença, oriundas dos quatro cantos do distrito de Braga, foram chegando aos poucos e povoando o alto da Penha.
Findo(s) o(s) repasto(s), as centenas de pessoas presentes, entre crianças e seniores, entregaram-se aos deleites da celebração. Os mais novos, eufóricos, desfrutavam dos insufláveis, saltando, correndo, dando cambalhotas, ou comiam pipocas e algodão doce, enquanto os mais velhos assistiam à animação musical e, os mais afoitos dançavam mesmo sob o Sol já abrasador, o que obrigou muitos dos presentes a refugiarem nas muitas sombras que a Penha oferece. Mesmo assim, e apesar de aparentemente desfasados do centro da atividade, a interação foi uma constante.
Palhaços, mágicos e malabaristas, o grupo de bombos Cercissons, da Cercigui, e muitos outros animaram de forma especial o dia de centenas de utentes e celebraram a solidariedade.
“O balanço é muito positivo. Estão aqui mais de 1.200 pessoas em convívio e interação intergeracional, um momento em que também eles potenciaram um tempo de partilha e de convívio. É sempre salutar isto acontecer”, referiu o cónego Mariz, acrescentando: “O papel de uma IPSS no seio de uma comunidade também é de fortalecer o convívio, tão essencial para combater a solidão que tantas vezes causa tantos males e depressão às pessoas”.
O presidente da UDIPSS Braga destacou: “Este pequenino gesto de plantar umas oliveiras, árvore símbolo da paz e também da fecundidade, porque de um pequenino ramo que se arranca e se planta nasce outra oliveira. E que também a ação social no seio da sociedade seja sempre esse raminho de oliveira, sempre a crescer e que seja potenciador da paz, da paz social neste caminhar de uns com os outros”.
Por outro lado, o cónego Mariz sublinhou a ainda a importância destas iniciativas para intensificar as relações entre as IPSS do distrito.
“Esse também é um dos objetivos desta iniciativa, o fortalecer das relações entre as IPSS, por vezes muito autonomizadas dentro de si, e que estes momentos de reflexão e de convívio possam fortalecer essa comunhão e essa partilhar no seio das instituições”, defendeu, referindo ainda a importância deste tipo de encontros para a coesão social, “que tem que ser sempre cimentada”.
“Isto é como uma parede que para se manter coesa tem que ser cuidada e, nesse sentido, também o Setor Social é uma parede, é um apoio sólido no caminhar desta sociedade que se quer mais solidária e fraterna. E o encontro, a comunhão e a partilha são muito importantes para esse cimento, para que essa parede seja sólida. Só um Setor Social forte, unido e coeso poderá mostrar o seu valor e a sua importância para a sociedade”.
A Semana Social vai na segunda edição, nasceu em 2016 no âmbito da celebração do 15º aniversário da UDIPSS Braga e é para continuar.
“Sentimos que era relevante e importante e por isso este ano replicámos a experiência, sempre com o cuidado de podermos descentralizar a iniciativa”, finalizou o cónego Mariz.

 

Data de introdução: 2017-10-13



















editorial

A IMPORTÂNCIA ECONÓMICA DAS IPSS

Há dados sobre as IPSS bem conhecidos: em 31 de dezembro último, contando naturalmente com as regiões autónomas, entre associações (3.121), cooperativas (50) e fundações (329) de solidariedade social, centros sociais...

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Europa: Quem te viu e quem te vê...
Escrevo esta crónica num dia em que os líderes dos 28 países da União Europeia tiveram de fazer um longo serão para poderem redigir um documento político de...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Migrações e crises políticas
Desde a sua criação, já foram muitas as crises que ameaçaram o progresso e a estabilidade da União Europeia. Algumas dessas crises obrigaram à...