POPULAÇÃO ATIVA

3,6 milhões de portugueses no mercado de trabalho

Cerca de 3,6 milhões de pessoas com 55 e mais anos integravam o mercado de trabalho no segundo trimestre, representando 40,2% da população em idade ativa, revelou o Gabinete de Estratégia e Planeamento do Ministério do Trabalho.

Segundo uma nota técnica divulgada pelo Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP), que tem por base as estimativas do Inquérito ao Emprego do Instituto Nacional de Estatística (INE), o peso da população em idade ativa com 55 e mais anos aumentou 0,6 pontos percentuais face ao trimestre homólogo.

"As estimativas do Inquérito ao Emprego confirmam a tendência gradual para o envelhecimento da população em idade ativa, em particular nos últimos anos", lê-se no documento.

A maior parte da população mais velha em idade ativa tinha entre 55 e 64 anos (15,5%), seguindo-se a população com 65 a 74 anos (12,7%) e por fim a população com 75 ou mais anos (12%).

Do total da população em idade ativa com 55 e mais anos (3,6 milhões), mais de um milhão estava a trabalhar, constituindo 21,6% da população empregada em Portugal, revela a nota do GEP.

“A população empregada com 55 e mais anos foi estimada em 1.027,6 mil” no segundo trimestre de 2017, dos quais 565,1 mil são homens (55%) e 462,5 mil mulheres (45%), lê-se no documento.

Face ao mesmo trimestre de 2016, houve um aumento de 9,1% do número de pessoas com 55 e mais anos a trabalhar, excedendo o crescimento da população empregada com idade entre os 15 e os 64 anos, cuja subida foi de 2%.

Por outro lado, de acordo com o GEP, havia no segundo trimestre 75,5 mil desempregados com 55 e mais anos.

O gabinete do Ministério do Trabalho faz ainda uma análise à informação estatística publicada todos os meses pela Segurança Social, para aferir o peso relativo da população mais velha nas várias prestações contributivas.

Segundo a análise, entre 2007 e 2016, a população com 55 e mais anos representou 21% dos beneficiários que, em cada ano, recebeu pelo menos uma prestação de desemprego. “Essa proporção apenas se alterou nos anos da crise (2009 a 2013), em que desceu para cerca de 18%”, dado o aumento do desemprego nas outras faixas etárias.

Analisando por mês, o peso sobe para mais de 30% devido a uma maior permanência no desemprego, em consequência dos períodos de concessão mais alargados para as pessoas mais velhas.

Em junho, por exemplo, 32,5% dos beneficiários de prestações de desemprego (mais de 62 mil) tinham 55 e mais anos.

Quanto ao subsídio de doença, em 2016, a população com 55 e mais anos representou 18,2% no total de beneficiários desta prestação social. Por mês, a proporção aumenta para mais de 25%, em média. Em junho, mais de 34 mil pessoas estavam a receber subsídio de doença.

A população com 55 e mais anos representou ainda 15,6% dos beneficiários do Rendimento Social de Inserção (RSI) em 2016.

 

 

Data de introdução: 2017-10-01



















editorial

Pela erradicação da pobreza

Outubro está associado à "Erradicação da Pobreza". Pela primeira vez em 1992, a data (dia 17) foi comemorada oficialmente com o objetivo de alertar a população para a necessidade de defender um direito básico do ser...

Não há inqueritos válidos.

opinião

António José da Silva

O fascínio do poder
O poder, seja este de que tipo for, exerce sempre algum fascínio sobre a maior parte dos homens, e entre os diversos tipos de poder que exercem maior fascínio, está certamente o poder...

opinião

Padre José Maia

Outubro: mês social
A circunstância de, no mês de outubro, se evocarem o Dia do Idoso (dia 1) e o Dia da erradicação da Pobreza (dia 17), inspirou-me a partilha com os leitores de SOLIDARIEDADE de...