MERCADO DE TRABALHO

Tendência gradual para envelhecimento da população em idade ativa

Cerca de 3,6 milhões de pessoas com 55 e mais anos integravam o mercado de trabalho no segundo trimestre, representando 40,2% da população em idade ativa, revelou o Gabinete de Estratégia e Planeamento do Ministério do Trabalho.

Segundo uma nota técnica divulgada pelo Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP), que tem por base as estimativas do Inquérito ao Emprego do Instituto Nacional de Estatística (INE), o peso da população em idade ativa com 55 e mais anos aumentou 0,6 pontos percentuais face ao trimestre homólogo.

"As estimativas do Inquérito ao Emprego confirmam a tendência gradual para o envelhecimento da população em idade ativa, em particular nos últimos anos", lê-se no documento.

A maior parte da população mais velha em idade ativa tinha entre 55 e 64 anos (15,5%), seguindo-se a população com 65 a 74 anos (12,7%) e por fim a população com 75 ou mais anos (12%).

Do total da população em idade ativa com 55 e mais anos (3,6 milhões), mais de um milhão estava a trabalhar, constituindo 21,6% da população empregada em Portugal, revela a nota do GEP.

"A população empregada com 55 e mais anos foi estimada em 1.027,6 mil" no segundo trimestre de 2017, dos quais 565,1 mil são homens (55%) e 462,5 mil mulheres (45%), lê-se no documento.

Face ao mesmo trimestre de 2016, houve um aumento de 9,1% do número de pessoas com 55 e mais anos a trabalhar, excedendo o crescimento da população empregada com idade entre os 15 e os 64 anos, cuja subida foi de 2%.

Por outro lado, de acordo com o GEP, havia no segundo trimestre 75,5 mil desempregados com 55 e mais anos.

O gabinete do Ministério do Trabalho faz ainda uma análise à informação estatística publicada todos os meses pela Segurança Social, para aferir o peso relativo da população mais velha nas várias prestações contributivas.

Segundo a análise, entre 2007 e 2016, a população com 55 e mais anos representou 21% dos beneficiários que, em cada ano, recebeu pelo menos uma prestação de desemprego. "Essa proporção apenas se alterou nos anos da crise (2009 a 2013), em que desceu para cerca de 18%", dado o aumento do desemprego nas outras faixas etárias.

Analisando por mês, o peso sobe para mais de 30% devido a uma maior permanência no desemprego, em consequência dos períodos de concessão mais alargados para as pessoas mais velhas.

Em junho, por exemplo, 32,5% dos beneficiários de prestações de desemprego (mais de 62 mil) tinham 55 e mais anos.

Quanto ao subsídio de doença, em 2016, a população com 55 e mais anos representou 18,2% no total de beneficiários desta prestação social. Por mês, a proporção aumenta para mais de 25%, em média. Em junho, mais de 34 mil pessoas estavam a receber subsídio de doença.

A população com 55 e mais anos representou ainda 15,6% dos beneficiários do Rendimento Social de Inserção (RSI) em 2016.

 

Data de introdução: 2017-09-26



















editorial

A IMPORTÂNCIA ECONÓMICA DAS IPSS

Há dados sobre as IPSS bem conhecidos: em 31 de dezembro último, contando naturalmente com as regiões autónomas, entre associações (3.121), cooperativas (50) e fundações (329) de solidariedade social, centros sociais...

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Europa: Quem te viu e quem te vê...
Escrevo esta crónica num dia em que os líderes dos 28 países da União Europeia tiveram de fazer um longo serão para poderem redigir um documento político de...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Migrações e crises políticas
Desde a sua criação, já foram muitas as crises que ameaçaram o progresso e a estabilidade da União Europeia. Algumas dessas crises obrigaram à...