ENVELHECIMENTO ATIVO

São necessárias políticas inclusivas e sustentáveis

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social defendeu que “os desafios” colocados aos Estados com o envelhecimento populacional exigem “políticas inclusivas e sustentáveis” para as pessoas de todas as idades.
Estas políticas devem “garantir vidas saudáveis”, alcançando a igualdade de género, e promover “a adaptação dos mercados de trabalho, dos sistemas de proteção social e dos serviços de saúde e de cuidados”, sustentou o ministro na abertura da Conferência Internacional das Nações Unidas sobre o envelhecimento ativo, em Lisboa.
Segundo dados apresentados por Vieira da Silva na conferência, em 2017, 15,4% da população na região UNECE (Comissão Económica das Nações Unidas para a Região Europa) tem 65 anos contra os cerca de 13% em 2002.
“As tendências atuais indicam que, até 2030, as pessoas com 65 ou mais anos vão representar mais de um quinto da população da região UNECE”, frisou o ministro.
Vieira da Silva lembrou que o aumento da esperança de vida tem “implicações importantes e de longo alcance” a nível social, territorial, económico e cultural.
Para o ministro, este aumento da esperança de vida terá de ser acompanhado pela “qualidade de anos de vida”.
“As pessoas devem envelhecer com dignidade e segurança, desfrutando a vida através da plena realização dos direitos humanos e das liberdades fundamentais”, defendeu o ministro na conferência promovida pela UNECE, com o tema «Uma sociedade sustentável para todas as idades».
Esta situação exige também “um combate permanente contra o discurso da segregação geracional, promovendo a solidariedade e respostas solidárias, em particular no domínio da relação entre gerações”, acrescentou.
Mas os desafios que se colocam “só podem ser alcançados através de um compromisso conjunto”, para garantir “uma sociedade sustentável para todas as idades”.
Presente na conferência, o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, adiantou, citando projeções do Instituto Nacional de Estatística (INE), que a população com 65 ou mais anos residente em Portugal passará de 2,1 para 2,8 milhões de pessoas entre 2015 e 2080.
Neste contexto, exigem-se políticas públicas que criem condições favoráveis ao envelhecimento da população, defendeu o ministro, lembrando que no espaço de quatro décadas, Portugal criou condições de desenvolvimento que permitiram às pessoas terem uma esperança de vida superior à média da União Europeia.
A conferência, de onde vai sair a Declaração de Lisboa, com as linhas orientadoras de atuação dos Estados-membros para os próximos cinco anos, reúne em Lisboa os ministros responsáveis pela área do envelhecimento dos 49 estados membros da UNECE, além de outras entidades relevantes, como as Nações Unidas, a Comissão Europeia e a Organização Internacional do Trabalho.
Além dos Estados-membros, esta conferência conta com a participação, como observadores, dos países de língua oficial portuguesa e de outros onde há comunidades portuguesas de grande expressão, como China, Japão, Índia, África do Sul, Canadá ou Rússia.

 

Data de introdução: 2017-09-21



















editorial

A IMPORTÂNCIA ECONÓMICA DAS IPSS

Há dados sobre as IPSS bem conhecidos: em 31 de dezembro último, contando naturalmente com as regiões autónomas, entre associações (3.121), cooperativas (50) e fundações (329) de solidariedade social, centros sociais...

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Europa: Quem te viu e quem te vê...
Escrevo esta crónica num dia em que os líderes dos 28 países da União Europeia tiveram de fazer um longo serão para poderem redigir um documento político de...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Migrações e crises políticas
Desde a sua criação, já foram muitas as crises que ameaçaram o progresso e a estabilidade da União Europeia. Algumas dessas crises obrigaram à...