CUIDADOS CONTINUADOS

Número de camas cresceu 8,4% em 2016

O número de camas nos cuidados continuados cresceu 8,4% em 2016, passando a existir 8.112 lugares de internamento, um acréscimo de 631 em relação ao ano anterior.

O relatório sobre o acesso a cuidados de saúde referente ao ano passado, a que a agência Lusa teve acesso, mostra que o crescimento do número de camas da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) foi suportado sobretudo pelas camas de longa duração e manutenção e de média duração e reabilitação.

Em 2016 houve um crescimento de 4,5% no número de utentes assistidos na RNCCI, bem como dos utentes referenciados.

Por outro lado, baixou o número global de utentes em espera para uma vaga (menos 2,1% do que em 2015).

Pela primeira vez foram criadas camas pediátricas nesta rede e não existiam doentes a aguardar vaga nesta tipologia.

Globalmente, entre internamento e respostas domiciliárias, a RNCCI tinha no final de 2016 um total de 14.376 lugares, um crescimento de 2,2% relativamente ao ano anterior.

Em 2016 existiam ainda 288 camas de cuidados paliativos na RNCCI, que em 2017 passaram a integrar a Rede Nacional de Cuidados Paliativos.

 

Data de introdução: 2017-08-29



















editorial

COOPERAÇÃO (Conclusões do Encontro Nacional)

A rede capilar de serviços sociais prestados pelas IPSS em todo o País, a todos, mas preferencialmente aos mais desprotegidos, desde o litoral urbano às periferias despovoadas do interior, corresponde a um mandato e possui um fundamento constitucional.

Não há inqueritos válidos.

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

A América Central de novo em foco
Há uns anos atrás, alguns países da América Central motivaram um grande interesse da opinião pública internacional. Tudo porque ali se travava uma guerra, embora...

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

“PORTUGUESES: satisfeitos com o governo …insatisfeitos com a VIDA”!
Foi exatamente esta a mensagem que o jornal PÚBLICO adotou, recentemente, como título de primeira página.