PADRE JOSÉ MAIA

Dignidade e Direitos Humanos

A legitimação dos direitos humanos reside na “dignidade” que habita em cada pessoa!

Vivemos tempos conturbados em que a supremacia do poder económico e financeiro sobre o poder político se vai impondo, atirando para as periferias da pobreza e das várias exclusões e marginalizações (sociais, religiosas, económicas e também de descriminação social), de milhões de crianças, de milhões de pessoas vítimas de guerras, de enriquecimentos ilícitos, de refugiados expulsos da sua terra, de escravos sexuais, de violência doméstica, de pobreza extrema.

Entre os muitos direitos protegidos em todas as legislações de cada país, devem merecer inequívoca prioridade os “direitos humanos”. Mas isso, infelizmente não acontece! Aliás, e muito recentemente, as imagens que nos chegam da Venezuela mostram uma “multidão de humanos sem direitos”!

Urge alertar as consciências e os legisladores, governantes e empresários, educadores/professores e órgãos de comunicação social no sentido de os fazer acreditar que a “fonte última dos direitos humanos não se situa na mera vontade dos seres humanos, na realidade do Estado, nos poderes públicos, mas sim, no próprio Homem”. Tais direitos são “universais e invioláveis”!

São universais, porque estão presentes em todos os seres humanos, sem exceção alguma de tempo e lugar.

São invioláveis, enquanto inerentes à pessoa humana e à sua dignidade e seria vão proclamar os direitos e, ao mesmo tempo, não se envidarem todos os esforços a fim de que seja devidamente assegurado o seu respeito por parte de todos, em relação seja a quem for!

São inalienáveis, na medida em que ninguém pode legitimamente privar destes direitos um seu semelhante, seja ele quem for, uma vez que significaria violentar a sua natureza!

Todos estes direitos tocam todas as fases da vida e todo o contexto político, social, económico e cultural. Constituem um conjunto unitário, visando resolutamente a promoção do bem em todas as dimensões da pessoa e da sociedade!

SOLIDARIEDADE e DIREITOS HUMANOS devem caminhar juntos.

Seria muito bom que buscássemos na credibilidade daquilo que fazemos “autoridade moral”l para denunciarmos os atentados aos direitos humanos que, por vezes, presenciamos!

Pe. José Maia

 

 

Data de introdução: 2017-08-10



















editorial

CONTINUIDADE DOS CUIDADOS: ENTRE A SAÚDE E O SOCIAL

A perspetiva holística da Pessoa, compreendida integralmente nas suas diversas dimensões, fundamenta a ação do setor social solidário: a Pessoa toda na sua unicidade e também todas as Pessoas. Tal conceção exige que a...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

A força das IPSS ao serviço do país
No último artigo publicado neste jornal evoquei um ano de pandemia. Aí referi as alterações de comportamento e de atitude a que tivemos que obedecer, os sentimentos de...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRESIDENTE DA CPV

Reforço dos direitos sociais sem esquecer o acesso ao trabalho
Há dias, a maioria dos grupos parlamentares decidiu determinar a implementação de um conjunto de medidas que tornem menos gravosa a condição de precariedade em que...