PADRE JOSÉ MAIA

Dignidade e Direitos Humanos

A legitimação dos direitos humanos reside na “dignidade” que habita em cada pessoa!

Vivemos tempos conturbados em que a supremacia do poder económico e financeiro sobre o poder político se vai impondo, atirando para as periferias da pobreza e das várias exclusões e marginalizações (sociais, religiosas, económicas e também de descriminação social), de milhões de crianças, de milhões de pessoas vítimas de guerras, de enriquecimentos ilícitos, de refugiados expulsos da sua terra, de escravos sexuais, de violência doméstica, de pobreza extrema.

Entre os muitos direitos protegidos em todas as legislações de cada país, devem merecer inequívoca prioridade os “direitos humanos”. Mas isso, infelizmente não acontece! Aliás, e muito recentemente, as imagens que nos chegam da Venezuela mostram uma “multidão de humanos sem direitos”!

Urge alertar as consciências e os legisladores, governantes e empresários, educadores/professores e órgãos de comunicação social no sentido de os fazer acreditar que a “fonte última dos direitos humanos não se situa na mera vontade dos seres humanos, na realidade do Estado, nos poderes públicos, mas sim, no próprio Homem”. Tais direitos são “universais e invioláveis”!

São universais, porque estão presentes em todos os seres humanos, sem exceção alguma de tempo e lugar.

São invioláveis, enquanto inerentes à pessoa humana e à sua dignidade e seria vão proclamar os direitos e, ao mesmo tempo, não se envidarem todos os esforços a fim de que seja devidamente assegurado o seu respeito por parte de todos, em relação seja a quem for!

São inalienáveis, na medida em que ninguém pode legitimamente privar destes direitos um seu semelhante, seja ele quem for, uma vez que significaria violentar a sua natureza!

Todos estes direitos tocam todas as fases da vida e todo o contexto político, social, económico e cultural. Constituem um conjunto unitário, visando resolutamente a promoção do bem em todas as dimensões da pessoa e da sociedade!

SOLIDARIEDADE e DIREITOS HUMANOS devem caminhar juntos.

Seria muito bom que buscássemos na credibilidade daquilo que fazemos “autoridade moral”l para denunciarmos os atentados aos direitos humanos que, por vezes, presenciamos!

Pe. José Maia

 

 

Data de introdução: 2017-08-10



















editorial

Uma cultura muito nossa

(...) Uma "cultura muito nossa" em que cada português se sente "guarda do seu irmão" e em que ninguém rejeita "fazer o que está ao seu alcance na construção coletiva" de um melhor devir para cada e para todos.

inquérito

O Orçamento de Estado para 2018 é favorável ou prejudicial ao funcionamento das IPSS?

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

2018: Mais Justiça Social...Precisa-se!
Faz parte da tradição de fim de ano “fazer balanços” sobre tudo e mais alguma coisa! Ninguém (particular ou empresa) resiste à tentação de...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

AMÉRICA CENTRAL: Eleições e instabilidade social
Entre os anos setenta e noventa do século passado, a América Central, foi objecto de grande interesse por parte da opinião pública internacional. Pelo menos, alguns dos...