PEDRÓGÃO GRANDE

IPSS convocadas para a solidariedade

“É uma tragédia sem precedentes na história do Portugal democrático”, palavras do Presidente da República. Numa comunicação ao País, o chefe de Estado afirmou que “uma só morte já seria, por si só, uma tragédia mas reiterou que esta é hora do combate, do realojamento e da construção”.
“Nos instantes mais difíceis da nossa vida enquanto nação somos como um só para Portugal. A nossa dor, neste momento, não tem medida”, afirmou.
Marcelo Rebelo de Sousa considera ser normal que se sinta “injustiça”, mas pediu que se guardasse este sentimento. “A tragédia atingiu um país rural, isolado, com pessoas mais idosas, mais difíceis de contactar, de proteger e de salvar”, mas os portugueses devem concentrar-se no essencial: “Manter o combate e a solidariedade por todos os que sofrem e sofreram com esta tragédia e que somos um só povo por Portugal”.

IPSS CONVOCADAS PARA A SOLIDARIEDADE

Para além de muitos outros apoios, particularmente as IPSS dos distritos de Leiria e de Coimbra devem estar disponíveis, também para o acolhimento de emergência.
As disponibilidades podem ser manifestadas tanto junto da presidência da Câmara Municipal de Pedrógão Grande (geral@cm-pedrogaogrande.pt - telefone 236 480 150), como da CNIS ou das Direções de UDIPSS-Leiria (Dr. Joaquim Guarda) e da UDIPSS-Coimbra (Horácio Santiago / Dr. Gil Tavares, telefone 919975680).

 

Data de introdução: 2017-06-20



















editorial

Os pobres e as Instituições de Solidariedade

(...) Se o Sector Social e Solidário é um muito importante pilar do Estado Social, corre sérios riscos de colapso porque o Estado não está a corresponder às expectativas criadas aquando da celebração do Pacto de...

Não há inqueritos válidos.

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

América Latina: uma outra deriva?
Em democracia, nada é definitivo. E nada é definitivo, porque a democracia pressupõe a realização cíclica de eleições, e os resultados dessas...

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Greves e serviços mínimos...
Após um longo tempo de quase ausência de greves, proeza atribuída às políticas de reversão de direitos dos trabalhadores e, em geral, de todos os portugueses...