PROCOOP

Mais de mil IPSS candidatas a mais acordos de cooperação

Mais de 1.100 entidades do Setor Social Solidário candidataram-se aos novos acordos de cooperação com o Governo para o desenvolvimento de respostas sociais, anunciou o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.
O primeiro concurso público para novos acordos de cooperação com o setor decorreu entre 22 de maio de 9 de junho, tendo o Instituto de Segurança Social recebido durante este período 1.170 candidaturas.
Do total de candidaturas ao Programa de Celebração ou Alargamento de Acordos de Cooperação para o Desenvolvimento de Respostas Sociais (PROCOOP), 219 correspondem a pedidos de novos acordos de cooperação e 951 a pedidos de alargamento de acordos em vigor, informa em comunicado o Ministério.
“Com uma dotação orçamental de 13 milhões de euros, este período de candidaturas ao PROCOOP abrangeu a totalidade do território de Portugal”, lê-se no comunicado.
O PROCOOP destina-se a todas as entidades do Setor Social Solidário, que desenvolvam ou pretendam desenvolver respostas sociais, no âmbito da Rede de Serviços e Equipamentos Sociais, com vista à celebração de novos acordos ou ao alargamento de acordos de cooperação em vigor.
O Ministério explica que “a seleção e hierarquização das candidaturas é efetuada mediante a definição prévia de critérios objetivos, uniformes e rigorosos”.
Entre os critérios estão “a cobertura dos acordos de cooperação existentes, a sustentabilidade da resposta social candidata e o tempo de espera para a celebração de acordo, bem como a sustentabilidade da própria entidade”, promovendo assim “a transparência e a equidade”.
Na altura da assinatura do Protocolo de Cooperação com os parceiros do Terceiro Setor, no início de maio, o ministro do Trabalho, da Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, afirmou que os acordos de cooperação são “fundamentais para estabilizar” a relação entre o Estado e o Setor Social Solidário, além de desempenharem um “papel fundamental na sustentabilidade das instituições”.
O Governo aumentou em 2,1% a comparticipação financeira para o funcionamento dos equipamentos e serviço sociais com acordo de cooperação com o Estado.

 

Data de introdução: 2017-06-14



















editorial

Qualidade e Qualificação

O que quer que se faça nas Instituições de Solidariedade, seja ao nível dos processos de gestão, seja ao nível dos recursos humanos ou doutros recursos, não constitui um fim em si mesmo, mas sim instrumentos para atingir o fim...

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Dignidade e Direitos Humanos
Vivemos tempos conturbados em que a supremacia do poder económico e financeiro sobre o poder político se vai impondo, atirando para as periferias da pobreza e das várias...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Estados Unidos e Rússia: uma relação menos clara
Nos anos que mediaram entre o fim segunda guerra mundial e o desaparecimento da União Soviética, as relações entre a Rússia e os Estados Unidos foram sempre muito claras....