MENSAGEM DO PRESIDENTE DA CNIS, PADRE LINO MAIA

MADEIRA: Solidariedade em Festa. Com Chama.

No decurso da história da Pátria, antes do mais, a solidariedade social sempre foi a expressão de um dever e de uma vocação da sociedade portuguesa e das suas organizações.
Uma solidariedade que se foi expressando, também, numa proteção social direta assumida pela comunidade que, assumindo como sua ventura a sorte do seu próximo, se foi organizando na subsidiariedade, ancorando caridade, cidadania e gratuitidade. Com inovação, solidariedade, envolvência e opção preferencial pelos mais carenciados.
Prática multissecular que lhe conferiu competência e ciência e que não tem concorrência. Com expressões muito variadas.
São organizações que têm a forma de associações, cooperativas, fundações ou mutualidades de solidariedade social, centros sociais paroquiais, institutos de organização religiosa ou misericórdias, com respostas para acolhimento institucional para crianças e jovens em perigo, de alojamento social de emergência, cantinas sociais, casas abrigo, centros (de acolhimento, de convívio, de dia e de noite para pessoas idosas, de apoio à vida e a toxicodependentes, de apoio familiar e aconselhamento parental, comunitários e protocolares, de atividades ocupacionais e de tempos livres), creches, cuidados continuados integrados, jardins de infância, lares (de infância, juventude ou pessoas idosas), serviços de apoio domiciliário...
São organizações que são  Instituições Particulares de Solidariedade Social e que têm permitido a muitas crianças crescer no sentido da plenitude, a muitos jovens valorizarem-se na promoção da cidadania, a muitas pessoas com deficiência serem valorizadas como merecem e serem integradas na comunidade como urge e a muitos idosos verem reconhecido o seu percurso e encontrarem uma qualidade de vida que os agarra à vida e os faz saber continuar a sonhar.
São organizações de uma comunidade que se envolve e não se desmobiliza e que, nos momentos de crise, se comporta de uma forma expansionista e em contraciclo, se comparada com os outros sectores tradicionais da economia e com as demais  sociedades.
São economia de pessoas e para as pessoas, com abordagem mais humanista, mais próxima e mais benéfica para os cidadãos, sobretudo, para os que vivem situações de maior fragilidade social.
Os cidadãos conhecem  e são sensíveis à Solidariedade Social...
A ação solidária espalha-se por toda a parte e ganha Chama no Porto Santo...
Com Chama e em Festa a Madeira faz florir o voluntariado na ação social...
Com tantas e tão boas lições dadas a toda a comunidade nacional a Região Autónoma da Madeira abraça e canta o valor da Solidariedade Social!...

Lino Maia

 

Data de introdução: 2017-06-02



















editorial

Qualidade e Qualificação

O que quer que se faça nas Instituições de Solidariedade, seja ao nível dos processos de gestão, seja ao nível dos recursos humanos ou doutros recursos, não constitui um fim em si mesmo, mas sim instrumentos para atingir o fim...

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Dignidade e Direitos Humanos
Vivemos tempos conturbados em que a supremacia do poder económico e financeiro sobre o poder político se vai impondo, atirando para as periferias da pobreza e das várias...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Estados Unidos e Rússia: uma relação menos clara
Nos anos que mediaram entre o fim segunda guerra mundial e o desaparecimento da União Soviética, as relações entre a Rússia e os Estados Unidos foram sempre muito claras....