XI FESTA DA SOLIDARIEDADE - MADEIRA

Grande entusiamo no acolhimento da tocha solidária

“É um ato de bondade onde todos os bons sentimentos que possuímos são dados aos outros, com muito carinho, sem esperar nada em troca. Solidariedade é amor em movimento”.
Esta foi a mensagem deixada pelos idosos do Centro de Convívio da Serra de Água, no terceiro dia da edição 2017 da Chama da Solidariedade, quando esta já circulava pelo concelho da Ribeira Brava.
Porém, a viagem arrancou bem mais cedo em Água de Pena. No largo da Igreja Matriz, as crianças que frequentam a EB1/PE de Água de Pena e alguns dos idosos do Centro de Dia da Casa do Povo deram os bons-dias à Chama da Solidariedade, com algumas canções e uma interpretação do Hino da Solidariedade acompanhada a acordeão. A criatividade e entusiasmo das instituições madeirenses em torno do lume solidário tem sido, até ao momento, surpreendente.
Já com Água de Pena no retrovisor, o momento seguinte deu-se em Câmara de Lobos. Reunidos junto à Capela da Vitória, dezenas de crianças de IPSS e escolas locais e ainda alguns seniores utentes de diversas respostas sociais das instituições do concelho formaram um longo cortejo, descendo a pé até à Praça da Autonomia. Aí já o presidente da autarquia local, Pedro Coelho, aguardava pelos participantes na marcha, tal como o presidente da CNIS, padre Lino Maia, que assim também se juntou à Chama da Solidariedade 2017, tal como o presidente da UIPSS Madeira, padre Francisco Caldeira.
Depois dos discursos, em que mais uma vez foi sublinhada a importância da solidariedade na coesão social dos madeirenses, houve animação em palco, protagonizada por crianças e idosos, em mais um momento de grande alegria e entusiasmo.
Após o almoço, a flama solidária seguiu para o concelho da Ribeira Brava, onde foi recebida na freguesia do Campanário por muitas crianças e idosos, com os primeiros a interpretarem algumas canções.
Em caravana automóvel, a Chama foi ainda a Tabua e a Serra de Água, onde após um momento mais institucional, houve animação musical, poemas e largada de balões.
Já na sede de concelho, uma vasta massa humana aguardava a chegada da tocha solidária, que ali foi entregue ao presidente da Câmara Municipal, Ricardo Nascimento.
Novo momento musical, fechando a tarde com uma missa na frente de mar da vila, prosseguindo a celebração da visita da Chama com animação que durou até às 23h00.
Terça-feira, a Chama sai da Ribeira Brava rumo à Ponta do Sol, passando ainda pela Calheta e por Porto Moniz.

 

Data de introdução: 2017-05-30



















editorial

Qualidade e Qualificação

O que quer que se faça nas Instituições de Solidariedade, seja ao nível dos processos de gestão, seja ao nível dos recursos humanos ou doutros recursos, não constitui um fim em si mesmo, mas sim instrumentos para atingir o fim...

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Dignidade e Direitos Humanos
Vivemos tempos conturbados em que a supremacia do poder económico e financeiro sobre o poder político se vai impondo, atirando para as periferias da pobreza e das várias...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Estados Unidos e Rússia: uma relação menos clara
Nos anos que mediaram entre o fim segunda guerra mundial e o desaparecimento da União Soviética, as relações entre a Rússia e os Estados Unidos foram sempre muito claras....